O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)
Arquivado em: Chile  repressão  indígenas  Confech  

200212_chileChile - Prensa Latina - A Confederação de Estudantes do Chile (Confech) expressou seu respaldo às mobilizações sociais da região de Aysén contra o isolamento e o alto custo de vida nessa zona da Patagônia.


“Damos nosso apoio fraterno ao povo organizado de Aysén, que se levanta diante de inúmeras injustiças que geram as políticas centralizadas e isolacionistas”, destacou uma declaração da Confech circulada neste domingo (19) na capital chilena.

A mensagem do estudantes chilenos apontou que os problemas da referida zona, situada a cerca de dois mil quilômetros ao sul de Santiago, têm como gênese “um modelo indolente e intransigente, que a Constituição Política de 1980 defende com unhas e dentes”.

“São sintomas de uma doença que se repete por todo o nosso país, que produz graves danos às famílias mais pobres, em todos os aspectos da vida, em educação, saúde, trabalho, moradia e dignidade”, enfatizou o texto.

As federações universitárias aglutinadas na Confech também denunciaram no comunicado público a reação do governo diante da inédita efervescência popular.

“Temos visto como homens e mulheres lutadores têm sido vítimas da repressão mais brutal e descarnada, além de observar com impotência como suas demandas são constantemente invisibilizadas nos meios de comunicação”, assinalou o documento.

Na opinião da Confech, a unidade e articulação de todos os atores sociais no país na defesa de demandas como as expressadas pelos ayseninos é o único caminho para promover as mudanças reais que o Chile precisa.

O movimento social “Aysén, seu problema é meu problema” reclama subsídios para os combustíveis e a cesta básica, garantir equidade trabalhista e qualidade na saúde e a aprovação de uma universidade pública regional de alta qualidade e formação acadêmica.

Exige também um plebiscito vinculante para que se determine por vontade popular o destino de projetos energéticos nesse ponto da geografia nacional porque considera lesivos ao patrimônio natural da Patagônia os que estão em marcha.

Os pescadores do lugar se opõem também à privatização dos mares do Chile.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Este conteúdo foi bloqueado. Você não pode postar qualquer comentário.

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.