O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (2 Votos)
Arquivado em: metrô  Buenos Aires  Argentina  

180112_buenos_aires_catracas_metroArgentina - Opera Mundi - Profissionais recolheram cerca de 200 mil assinaturas contra o aumento.


Em protesto contra o recente aumento dado ao bilhete do metrô em Buenos Aires, Argentina, funcionários permitiram que os usuários entrassem nos trens sem pagar. Há uma semana diversas manifestações populares condenaram o aumento, de 127%.

Além disso, os metroviários recolheram cerca de 200 mil assinaturas, que incluem profissionais de outros setores, contra a medida do governo de Maurício Macri, do Pro (Proposta Republicana). Os trabalhadores também questionam 84 vetos dados por Macri nos últimos meses a propostas apresentadas no Legislativo, como por exemplo um subsídio vitalício para músicos que não conseguiram aponsentar-se.

"Quem veta tanto assim é alguém que rasga as contas e as atira no lixo", afirmou Susana Rinaldi, cantora e legisladora da capital, em entrevista ao jornal La Jornada. Susana ainda qualificou Macri como "o pai do veto universal".

De acordo com os manifestantes, pelo menos dois milhões de pessoas serão afetadas pelo aumento no bilhete do metrô. Algumas ONGs se uniram ao protesto para pedir que o aumento não seja levado adiante.

Outros protestos

A manifestação dos metroviários não é a única que Macri enfrenta neste momento. Os artesãos e camelôs que trabalham nas ruas do centro de Buenos Aires reclamam da dificuldade em trabalhar. Na última semana, a polícia foi enviada ao local para desalojar os manifestantes, provocando incidentes.

Para chamar a atenção dos milhares de turistas que frequentam a região, os vendedores e artesãos colocaram cruzes sobre as mantas nas quais expõem seus produtos. Enquanto isso, outros voltaram ao local para vender seus produtos, desafiando a ação policial.

Nesse caso, os manifestantes sustentam que legalmente estão autorizados a ocupar o espaço público para vender seus produtos, desde que não haja uma competência desleal.

*Errata: Ao contrário do que foi publicado anteriormente, os metroviários de Buenos Aires não entraram em greve.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Este conteúdo foi bloqueado. Você não pode postar qualquer comentário.

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.