1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

310810_mozalMoçambique - Canalmoz - Canal de Correspondência, por Milissao Nuvunga: "Mozal poluiu menos do que a agricultura"


Sobre a noticia publicada no vosso jornal (edição da web) sobre a poluição da Mozal. Escrevo para o vosso jornal porque vocês adoptam uma perspectiva crítica na exposição dos factos sociais e políticos. Eu penso que o problema com a Mozal não é a quantificação da poluição mas sim a utilidade da poluição. Na minha maneira de ver as coisas, o problema do debate está no facto de nós atribuirmos à Mozal a mesma utilidade social que à produção agrícola.
Citando o estudo da UEM reportado pelo Canalmoz: "O primeiro poluidor no país são as queimadas associadas à agricultura, que emitem anualmente, 470 mil toneladas de partículas. O segundo poluidor, ainda de acordo com Amilo Nará, é o sector das florestas (produção de carvão e lenha) com 14 mil toneladas de partículas por ano. Em terceiro lugar, consta o combustível doméstico (carvão e lenha nas residências). O sector informal (padarias, lixo doméstico) afigura-se em quarto lugar, enquanto que a poluição no ramo dos transportes nas diversas vertentes, ocupa o quinto lugar." Estive a citar a notícia do Canalmoz.
A pergunta que eu coloco é a seguinte: será que a produção da Mozal tem a mesma utilidade que a produção do carvão e lenha, ou o mesmo valor que a queima do carvão e lenha nas residências para produzirem refeições para os milhões de moçambicanos que não usam um fogão eléctrico? Eu penso que enquanto nós não colocarmos estas questões básicas, como cidadãos e como jornalistas, estaremos muito dependentes desse tipo de estudos que não relacionam os factos. No sentido figurado, a poluição da Mozal pode ser a gota de água que faz transbordar o copo da poluição. E se for assim, temos que qualificar a utilidade dessa gota no copo das diversas poluições que nos afectam.
A Mozal pode não poluir mais do que a agricultura, mas pode ser que enquanto nós não podemos viver sem a agricultura, talvez possamos viver sem a Mozal.
Um abraço, e as minhas sinceras desculpas por vos usar como um canal para vazar a minha ira contra a Mozal.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.