1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (2 Votos)
Mário Maestri

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Aqui e Agora

Michel, o Usurpador

Mário Maestri - Publicado: Terça, 12 Abril 2016 05:55

- Faça-se a luz! Com essas poucas palavras, teria se iniciado a criação do universo. Tamanha era a crença na força da locução que, na Idade Média, se condenava à prisão e à morte por mandar alguém aos “quintos do inferno”.


A verbalização do desejo abriria já caminho à sua materialização. Visão que permanece, forte, no nosso inconsciente. Até poucos anos, minha velha mãe repetia: - Mário José, não digas isso. Os anjos podem dizer amém!

Na Antiguidade, Platão sintetizou a visão daqueles que acreditavam que as ideias determinavam o mundo material e as palavras precediam ao que designavam. O grande Aristóteles dissolveu essas ilusões idealistas, propondo que os fenômenos materiais e espirituais precediam a sua nominação.

Portanto, fatos novos exigiriam - e exigem - novas designações.

Devido à sua força de evocação, a língua é, definitivamente, espaço privilegiado da luta de classes. Ela serve para expressar corretamente o mundo das coisas materiais, sociais e espirituais, ou cobri-lo com o véu opaco da dissimulação e da mentira.

Os senhores generais definiram 31 de março como o dia do início da ordem que impuseram pela força dos fuzis porque, logicamente, o 1ª de abril pecava por sua pouca seriedade. Chamaram a ordem ditatorial de “revolução redentora”, apoiando-se na força da palavra que descrevia o que combatiam e se encostando na princesa Isabel. Autoproclamaram-se presidentes, mandando para a prisão aqueles que davam o nome certo aos bois. Ou seja, a eles, chamando-os de ditadores!

Temiam a força das palavras breves que desventrava sem pudor a essência do que eram e do que faziam - eram meros e vulgares golpistas e ditadores.

Devido a tudo isso, enfrentamos, hoje, um problema de nominação. Se o golpe institucional prosperar e Michel Temer abiscoitar a presidência, violentando a Constituição, apoiado na força da grande mídia e do grande capital e na leniência da Justiça, como ele, Temer, deverá ser chamado?

O conceito ditador não se enquadra ao caso. Mesmo na ilegalidade, ele governará nos quadros gerais da Constituição violada, torcendo-a, é certo, até onde deixarem, apoiado no conservadorismo que o elevou à posição que não lhe cabia.

Parece-me que o título mais condizente será o de “usurpador”. Ou seja, aquele que se apodera de um título, cargo ou função, que não é seu, pelo engano ou pela força, seja qual seja.

Porém, fica uma questão. “Michel, o Usurpador”, não é demasiadamente pomposo para o tamanho do homem?

Fonte: Correio da Cidadania.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.