1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

mocambiqueeleicoesMoçambique - Vermelho - Moçambique prepara-se para ir às urnas no dia 15 de Outubro, em eleições cruciais para o futuro do país da África Oriental. A campanha eleitoral começara já no último domingo de Agosto (31) e ocorre com tranquilildade, até o momento.


Com 25 milhões de habitantes e enormes recursos naturais – condições para agricultura, pesca e turismo e reservas de carvão e gás natural – Moçambique é um dos países africanos com maior taxa de crescimento (7% do PIB em 2013 e previsão de 8% em 2014). Por quem e como vai ser gerido este país com grande potencial econômico? De que modo será redistribuída a riqueza criada? Eis interrogações que contribuem para a importância desta quinta edição das eleições gerais, durante os últimos 39 anos desde a independência.

Os moçambicanos vão eleger o presidente da República, deputados e membros das assembleias provinciais. A Frelimo, no poder desde 1975 e vencedora das votações anteriores, a Renamo e o MDM são as principais forças políticas e as únicas que apresentam candidatos presidenciais.

A Frelimo concorre à chefia do Estado com Filipe Nyusi, ministro da Defesa, a Renamo com o seu chefe, Afonso Dhlakama, e o MDM com o líder Daviz Simango.

Armando Guebuza, presidente da Frelimo e da República há 10 anos, não pode recandidatar-se por já ter cumprido dois mandatos. Mas, em discurso recente, perante a Assembleia da República, ele fez um balanço positivo desta década em que governou e elencou 10 desafios que precisão ser enfrentados: a elevação da auto-estima do moçambicano; a consolidação da unidade da nação, da paz e da reconciliação nacional; a formação de quadros; a luta contra a fome e a doença; a promoção do bem-estar da juventude; o combate aos obstáculos ao desenvolvimento; a construção e reabilitação de infra-estruturas sociais e económicas; o ordenamento do território; o reforço da democracia e o aumento da cooperação internacional.

A cidade de Nampula, no Norte, capital da província do mesmo nome e o maior círculo eleitoral do país, foi escolhida pela Frelimo para o início da campanha. Guebuza enalteceu a unidade nacional, apelou à paz e ao diálogo, prometeu que uma nova vitória do seu partido garantirá mais desenvolvimento para Moçambique.

Já Nyusi falou de "mudanças e esperança" para os moçambicanos, do seu programa de governo que aposta no desenvolvimento da agricultura, "carvão e o gás não se comem, o povo não come recursos minerais", na criação de mais postos de trabalho para os jovens, na melhoria do sistema de saúde e na educação com qualidade. "Temos de construir uma nação de justiça social".

O líder do MDM também escolheu Nampula para o início da campanha eleitoral. Quanto a Dhlakama, continua em algum lugar incerto, na serra da Gorongosa, onde se refugiou há vários meses.

A Renamo e o governo de Maputo assinaram um acordo de paz, após complexas negociações, e existe a expectativa de um encontro, na capital, entre Guebuza e Dhlakama.

Há mais de dois anos que homens armados da Renamo levavam a cabo, nas províncias de Sofala e Manica, ataques contra colunas militares e alvos civis, provocando dezenas de mortos, centenas de feridos, património destruído e a deslocação de milhares de habitantes. Com estas atitudes, Dhlakama e seus generais exigiam alterações nas leis eleitorais, a integração dos seus homens no exército e na polícia, a "despartidarização do aparelho de Estado" e uma maior participação na exploração dos recursos minerais.

Antes disso, entre 1976 e 1992, a Renamo, criada pela Rodésia racista e, depois, armada e financiada pelo regime do apartheid da África do Sul, travou contra Moçambique uma sangrenta guerra civil que causou um milhão de vítimas e danos materiais incalculáveis.

A paz chegou em 1992. A Renamo assumiu-se como partido político, de direita – um dos conselheiros de Dhlakama era e ainda continua a ser Jaime Nogueira Pinto, empresário e académico português que não esconde as suas simpatias pelo salazarismo. Dhlakama deu-se mal com o regime democrático, perdeu os escrutínios em que participou e nunca entregou as armas, que agora voltou a empunhar.

Após o longo caminho percorrido, Moçambique trabalha para que as eleições de 15 de Outubro decorram com normalidade, com a aceitação geral dos resultados saídos das urnas. E para que o povo possa prosseguir, em paz, a construção de um país unido, próspero e justo, onde a riqueza criada a todos beneficie.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.