1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (3 Votos)
Miguel Urbano Rodrigues

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Em coluna

Alexandra Kollontai, uma mulher à frente do seu tempo

Miguel Urbano Rodrigues - Publicado: Terça, 29 Março 2016 12:07

Pode o livro de um anticomunista que deturpa grosseiramente a História ter interesse e ser útil?


Acabo de reler Alexandra Kollontai[1], de Arkadi, Vaksberg, biografia romanceada da revolucionária russa.

Vaksberg nao é somente reacionário; é um anticomunista fanático. Abomina o socialismo, odeia a Revolução de Outubro e tudo o que ela significa. Essa posição transparece ao longo do livro. Stalin aparece como um monstro sanguinário, um inimigo da humanidade. O seu Lenin também é apresentado como um ser maquiavélico, satânico, desumano.

 Arkadi Vaksberg nasceu na Sibéria em l933 e toda a sua obra é uma condenação agressiva do socialismo e do pensamento marxista.

Perguntará o leitor que interesse pode então ter um livro incompatível com um olhar sereno sobre a Historia, um livro do qual transpira aversão ao comunismo?

 O conteúdo da biografia ajuda compreender a contradição entre a opção politica e ideológica de Alexandra e a admiração que  inspira ao autor  uma personalidade que se assumiu desde a juventude como comunista.

O positivo no livro não são as opiniões de Vaksberg , mas as transcrições de textos, cartas e palavras de Kollontai que permitem ao leitor aceder à compreensão da mulher e da revolucionária.

O autor teve acesso a uma documentação importantíssima: arquivos da União Soviética e da Federação Russa, do Ministério dos Negócios Estrangeiros da URSS, das Letras e Artes da Rússia, da ex KGB, da cidade de São Petersburgo, do Exercito soviético, do Supremo tribunal da URSS, e da atual Biblioteca Nacional da Rússia, e a númerosos arquivos privados.

Mas mais valiosas do que essa documentação e do que o seu correio diplomático são os arquivos pessoais da própria Alexandra Kollontai.

Ela quase se autorretrata na sua volumosa correspondência, milhares de cartas.

Ainda adolescente, Alexandra iniciou um diário íntimo que durante anos lhe ocupou muitas horas. Mas em plena juventude, tomava também notas em caderno que conservou. Registava ideias e pensamentos até em papéis de restaurantes e hotéis.

Escreveu milhares de artigos e guardou os recortes de muitos.

Já em idade avançada, tentou escrever as suas Memórias. Não foi longe, porque compreendeu que iria esbarrar em obstáculos intransponíveis. Durante décadas elogiou Stalin e a linha que ele impusera ao Partido e quis evitar a contradição frontal entre a sua identificação com a política oficial e o que dela pensava e dizia nas conversas com amigos íntimos e em algumas cartas. Mas o que sobrou das Memorias interrompidas é esclarecedor da conceção do projeto.

A preocupação que a atormentava na velhice relativamente à imagem que dela permaneceria explica as mutilações que infligiu ao seu diário íntimo: tesouradas aqui e ali, paginas arrancados dos cadernos, parágrafos riscados, etc.

Foi difícil preservar esse acervo, mas ela conseguiu, confiando-o a amigos, para evitar que caísse mas mãos da polícia politica ou de inimigos seus.

Pioneira do feminismo

Alexandra Kollontai nasceu numa família abastada. O pai, ucraniano, fez uma carreira brilhante no exército, ascendeu ainda novo ao generalato e estava aparentado com a alta nobreza russa; a mãe era de origem finlandesa.

Alexandra estudou em casa, na tradição da aristocracia. Passou a infância em Petersburgo e numa propriedade da família na Finlândia. Casou cedo contra a vontade dos pais, com um jovem oficial, Vladimir Kollontai, que nao pertencia à sua classe social.

Uma amiga, Lelia Stassova, deu-lhe a ler obras proibidas na Rússia czarista. Alexandra adquiriu ideias então consideradas subversivas. Adepta da justiça social, percebeu que  a sua conquista passava pela destruição da ordem social existente.

A posição da mulher na sociedade russa revoltava-a. Mas não encontrou no marido um interlocutor para discutir os prolemas que a preocupavam.

O amor evoluiu rapidamente para uma grande amizade quando se apaixonou por um oficial, colega e amigo do companheiro. Foi o seu primeiro amante. Mas não se separou. Concluiu que era possível amar dois homens simultaneamente, de uma maneira diferente.

Alexandra tinha uma sensualidade explosiva e era uma das mulheres mais belas da Rússia.

Durou também pouco tempo a paixão por Satkevich.

Entrou em depressão. O amante, a quem chamava carinhosamente o Bonhome, não aprovou a sua ida para o estrangeiro- financiada pela família- para se tratar, mas disse -lhe que a amaria pela vida adiante. Cumpriu.

Ela cultivava o sentimento da amizade e permaneceu sempre amiga de todos o amantes, o ultimo quando já ultrapassara os cinquenta anos, idade em que foi forçada a um aborto clandestino quando era embaixadora da URSS na Suécia.

A opção pelo marxismo

A Itália foi o país da Europa Ocidental que escolheu para tratar a depressão. De Génova passou a Berlim. Mas a sua doença neurológica era mais imaginária do que real. Regressou a Petersburgo onde o marido e Saskevitch a receberam sem uma palavrar de censura.

A demora na Rússia foi breve. Iniciou quase logo uma maratona que a levou à Suíça, Inglaterra, Alemanha, França Bélgica, Itália, e outros países. Conheceu Plekhanov, Kautsky, Sidney e Beatriz Web, Paul Lafargue e Laura, a filha de Marx, Rosa Luxemburgo, e Jaurès e Victor Adler Tornou-se amiga de Rosa, dos Lafarge, de Clara Zedkin, e de Plekhanov. Principiou a estudar Marx. O materialismo dialectico entusiasmou-a.

Voltou à Rússia frequentes vezes, mas já então os seus artigos sobre temas feministas tinham chamado a atenção da Okrana, a polícia secreta czarista.

Alexandra não via incompatibilidade entre o marxismo e as suas teses. Não se limitava a fazer a apologia do amor livre. Pronunciava-se contra o casamento e contra a instituição da família. Era ao futuro estado socialista que segundo ela devia caber a tarefa de educar as crianças e não aos pais.

Viveu em Petersburgo os dias escaldantes da Revolução de l905. Chamou a atenção como oradora que inflamava as massas.

Grande comunicadora, conquistava os auditórios, mas o discurso era frágil, as conclusões superficiais

Foi nessa época que conheceu Piotr Maslov, um académico que a impressionou profundamente e com o qual estabeleceu uma relação amorosa que iria durar anos.

Maslov era um menchevique destacado e ela, fascinada pelo seu talento, aderiu à fação menchevique do Partido Social Democrata Russo ao qual pertencia também o bolchevique.

Lenin criticava publicamente Maslov, acusando-o de revisionista do marxismo.

Alexandra, já então considerada uma perigosa agitadora pela OKrana, começou a ser convidada para Congressos e reuniões internacionais e os seus artigos sobre a libertação da mulher, publicados em muitos países, contribuíram para a transformar numa personalidade de prestígio mundial.

Continuava apaixonada por Maslov (que era casado e não abandonara a mulher) mas isso não a impedia, como adepta do amor livre, de manter relações sexuais com outros homens. Durante uma reunião internacional em Copenhaga ela e Karl Liebknecht desapareceram juntos durante dois dias. Essa breve aventura não teve porem continuidade.

Muito mais séria foi a relação que iniciou em França com Chliapnikov, um operário russo, bolchevique, revolucionário profissional, um quadro da inteira confiança de Lenin. Conheceram-se durante uma conferência de Lunacharski. Ele abordou-a à saída, convidou-a para jantar e foram para a cama nessa noite. Ela tinha 39 anos, ele apenas 26.

Chliapovnik informou Lenin, na época residente em Paris, de que estavam apaixonadíssimos e ele aprovou a relação, sugerindo que a atraísse para o Partido Bolchevique.

Não foi difícil convencer Alexandra. Em carta a Zoia Chadurskaia, a sua melhor amiga, escreveu: «Ele abriu-me os olhos para muitas coisas; transformou-me». Rompeu com os mencheviques e pôs termo à relação amorosa que mantinha com Maslov.

Alexandra nas suas conferências feministas na Europa e nos Estados Unidos passou a fazer a apologia entusiástica das teses revolucionárias de Lenin. Embora sem intimidade, visitava-o com frequência. Foi então que conheceu Inessa Armand, a franco russa que foi o único grande amor de Lenin. Inessa era também uma feminista famosa, defensora do amor livre.

Algumas divergências com Lenin – Alexandra era desfavorável, como Rosa Luxemburgo e Bukharine, à autodeterminação das nações, nomeadamente da Polonia— não foram impeditivas de uma grande convergência no fundamental.

Ela foi dos primeiros exilados a chegar a Petrogrado quando irrompeu a Revolução de Fevereiro em 1917.

Foi recebida triunfalmente. Grande oradora foi eleita para o comité executivo do soviete da cidade. Recebeu Lenin na fronteira da Finlândia, depois ter participado ativamente nas negociações que permitiram a sua passagem pela Alemanha no comboio autorizado pelo governo do Kaiser.

Aderiu com entusiasmo às teses de Abril de Lenin que implicaram uma rutura com a estratégia anterior do Partido Bolchvique, abrindo caminho à insurreição vitoriosa de Outubro.

Alexandra desempenhou um papel decisivo na adesão da Esquadra do Báltico aos bolcheviques. Os Socialistas Revolucionários exerciam uma influência hegemónica sobre as tripulações. As tentativas de dirigentes bolcheviques para captar o apoio os marinheiros tinham fracassado todas.

Lenin decidiu então enviar Alexandra. Nunca antes uma mulher tinha sido recebida em navios da Armada fundeada em Helsínquia e Cronstadt. Mas no dia 28 de Abril

Alexandra, recebida por Dybenko, o líder dos marinheiros, dirigiu-se às tripulações. A sua oratória conquistou a Armada.

Dybenko apaixonou-se quando a viu e ouviu. Ela tinha então 43 anos ,mas era ainada segundo os seus admiradores a mulher mais bela da Russia. Ele tinha apenas 26,menos 17 que ela. Alexandra achou que «tinha encontrado o homem da sua vida». Continuou a ver nele um amigo querido apos se ter separado. Dybenko, que acabou fuzilado em julho de l938 depois de ter sido Comissario do Povo e comandante de exército, amou-a pelo tempo adiante.

Essa paixão da intelectual por um jovem marinheiro foi então muito comentada, até por Lenin e Stalin

Um oficial superior da antiga Marinha Imperial suicidou-se, alegando que não podia suportar a relação amorosa de Alexandra, ligada à alta nobreza russa, com um marinheiro semianalfabeto.

Kollontai foi eleita para o Comité Central do Partido e integrou o primeiro governo soviético como Comissario do Povo para a Assistência Publica.

Não durou muito o seu momento de glória.

Muitas das suas teses sobre a libertação da mulher foram assumidas pelo Partido e pelo governo soviético. Mas, mais tarde, Stalin revogou a maioria das leis feministas.

A personalidade explosiva de Alexandra, a imprevisibilidade das posições que assumia, a apologia irrestrita do amor livre e sobretudo a sua vida amorosa eram incompatíveis com o poder soviético.

Em l919 ela aderiu com Chliapine (fuzilado nos anos 30) à Oposição Operária.

Exerceu posteriormente funções importantes, mas sempre hostilizada por dirigentes destacados. Trotsky e Zinoviev detestavam-na e ela retribuía essa aversão.

Surpreendentemente, Stalin admirava-a, não obstante discordar do seu feminismo exacerbado.

Alexandra aliás, numa das suas bruscas viragens, passou a defender a linha imprimida ao Partido, apos a morte de Lenin, pelo poderoso secretário-geral.

E foi à confiança que Stalin tinha nas suas qualidades de negociadora e no seu charme que Alexandra deve o êxito que a acompanhou na sua longa carreira diplomática.

Stalin nomeou-a primeiro em 1923 para a Noruega, onde foi embaixadora, a primeira mulher no mundo nessa função. Em Oslo viveu um novo amor, clandestino, com um franco-russo.

Em 1926 foi colocada no México como embaixadora. Mas reagiu mal ao clima e Stalin, a seu pedido, transferiu-a para a Europa. A sua missão mais importante foi a de embaixadora na Suécia, onde, durante a guerra, desempenhou com brilho e talento tarefas delicadas.

Nesses anos Alexandra comportou-se permanentemente como uma epígona de Stalin. Da antiga Walkiria, expulsa de diferentes países pelas suas ideias «subversivas», somente restava o gosto pelo luxo. Vestiu se sempre nos melhores e mais caros costureiros.

No seu diário íntimo e em algumas cartas transparece uma grande frustração quando se interroga sobre a sua vida, marcada por uma cadeia de contradições antagónicas.

Não encontra respostas que a satisfaçam. Falado em público, elogiou sempre Stalin e a linha do Partido, mas no diário intimo, somente publicado muitos anos apos a sua morte, não esconde a angústia que a invadiu quando amigos queridos foram condenados à morte nos processos dos anos 30.

No seu jornal de embaixadora aprova o pacto germano-soviético de l939, como «totalmente correto» e «brilhante operação política”, mas criticou-o em encontros privados.

Na sua correspondência queixa-se de estar rodeada de espiões em Estocolmo. Mas no diário da embaixada felicita o procurador Vichinsky quando foi nomeado ministro dos Negocias Estrangeiros. Numa carta enaltece o seu trabalho nos processos de Moscovo e diz admirar «a sua sagacidade política» e os «discursos sempre brilhantes». Mas no diário íntimo escreveu: «Temo muito o dogmatismo de Vichinsky. Receio o mal que pode fazer pela sua crueldade e intolerância».

Sofreu com o processo de Bukharine: «Tenho medo por muitos amigos., Sinto-me torturada, com o coração atormentado». Numa carta a Zoia abriu-se: «Vivo como se estivesse num palco (..) não digo o que penso e, pelo contrário, na maior parte das vezes digo o que não penso».

Escreveu dezenas de cartas a Stalin, que lhe atribuiu a Ordem de Lenin, mas ele raras vezes lhe respondeu.

A chuva de elogios é constante nessa correspondência. Apos o XVI Congresso do PCUS felicitou-o «pelo seu magnifico discurso» e pela «sagacidade do Partido, guiado por um grande chefe».

Em l934, uma sessão plenária do Comité Central em que participou entusiasmou-a: «impressionou-me a paixão com que a assistência escutou Stalin e reagiu a cada um dos seus gestos. Emana dele magnetismo».

Mentia mais uma vez?

 *******

Vaksberg no seu livro deturpa a Historia, calunia Lenin e a Revolução de Outubro, mas não esconde a sua admiração por Alexandra Kollontai.

O que confere interesse à biografia da revolucionária são as transcrições de documentos do seu espólio.

Em Moscovo, ao regressar da Suécia atribuíram-lhe uma pensão confortável, mas foi rapidamente esquecida pelos dirigentes do Partido

Sentia o peso da solidão. Dizia não temer a morte. Mas a amargura foi permanente na velhice. Nos últimos anos raramente saia do seu apartamento. Continuou a escrever. Mas praticamente vivia numa cadeira de rodas.

Permaneceu lucida até ao fim. Doía-lhe ter sido uma mãe omissa.

Tinha consciência de, a partir do início da carreira diplomática, haver rompido as pontes com a Alexandra revolucionária? É duvidoso. A embaixadora, que se identificava publicamente com a política de Stalin, comportava-se no quotidiano como uma grande burguesa. No México quando lhe chamaram camarada, exigiu o tratamento de Excelência.

Quando faleceu em l952, foi sepultada discretamente no cemitério de Novodevitchi, ao lado de Tchicherine e Litvinov, no talhão dos diplomatas.

Mas tal como pretendia, Alexandra Kollontai atravessou o pórtico da História.

Nota:

[1] Arkadi Vaksberg, Alexandra Kollontai, Ed.Fayard,Paris,1996, 517 pgs.

Vila Nova de Gaia e Serpa - Março de 2016.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.