1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (3 Votos)

CcJ8 66W4AEQgcfCuba - Opera Mundi - Segundo documentos desclassificados, CIA pensou em fazer espião dos EUA presentear líder cubano com equipamento contaminado nos anos 1960.


Um instituto que pesquisa a história das instituições norte-americanas de segurança nacional revelou na última sexta-feira (26/02) que em 1963 a CIA (Agência Central de Inteligência dos EUA) cogitou assassinar o líder cubano Fidel Castro utilizando equipamento de mergulho como vetor do bacilo causador da tuberculose.

Segundo documentos da Casa Branca e da CIA divulgados pelo National Security Archive (Arquivo de Segurança Nacional), instituto localizado no campus da Universidade George Washington, na cidade de Washington, nos EUA, o então espião James Donovan realizou as primeiras negociações secretas entre o país e Fidel Castro com o apoio da CIA.

Os documentos apontam que, após a crise dos mísseis, Donovan, interpretado pelo ator Tom Hanks no filme “Ponte dos Espiões” (2015), passou a discutir com Fidel maneiras de melhorar as relações entre EUA e Cuba. Durante a série de encontros entre o espião e o líder cubano na ilha entre janeiro e abril de 1963, Fidel teria manifestado interesse em normalizar as relações com os EUA, de acordo com os relatos de Donovan à Casa Branca.

A CIA e o Departamento de Estado dos EUA queriam impor uma série de condições para a reaproximação com Cuba, entre elas o corte de relações entre Havana e a URSS. Um memorando da CIA para Donovan estabelecia inclusive que Fidel “deveria ser persuadido a expulsar os comunistas de seu governo”, e caso não se deixasse convencer, deveria ser informado sobre o “sombrio panorama que iria predominar – com um único resultado final – caso Cuba continue a fazer dos Estados Unidos seu inimigo”.

O “único resultado final”, não esclarecido no documento, talvez fosse a morte de Fidel pelas mãos da agência. Em uma nota de rodapé em um dos documentos desclassificados da CIA consta que alguns agentes decidiram usar o acesso de Donovan a Fidel para assassinar o líder cubano. O plano elaborado na época usaria o gosto de Fidel e de Donovan pelo mergulho para fazer com que o espião inadvertidamente presenteasse o cubano com roupa e equipamento de mergulho respectivamente infectados com o fungo causador da doença de Madura e com o bacilo causador da tuberculose.

Segundo o National Security Archive, o plano foi descartado após Milan Miskovsky, advogado da CIA que auxiliava Donovan, alertar o espião para que não permitisse que a agência tivesse acesso à roupa e ao equipamento de mergulho que ele havia comprado para presentear Fidel. O presente – livre de bacilos e fungos –  foi dado em uma das últimas viagens de Donovan a Cuba, em abril de 1963, quando Fidel e o espião mergulharam juntos na Baía dos Porcos. Na ocasião, segundo o relato de Miskovsky à Casa Branca, o líder cubano “deu uma explicação in loco da invasão” realizada por grupo de paramilitares treinados pelos EUA e frustrada pelas forças armadas cubanas em abril de 1961.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.