1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

151115 maputoMoçambique - Rede Angola - A incerteza em relação à estabilidade no país acentuou-se depois de Afonso Dhlakama, ter-se remetido ao silêncio. 


Os últimos desenvolvimentos da crise política em Moçambique mostram sinais de uma aposta “num confronto e numa solução militar”, mantendo o país numa situação “crítica e delicada”, disseram à Lusa politólogos moçambicanos.

A incerteza em relação à estabilidade em Moçambique acentuou-se nas últimas semanas, depois de o líder da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), Afonso Dhlakama, ter-se remetido ao silêncio desde o dia 9 de Outubro, na sequência do cerco, desarmamento e detenção, por algumas horas, da sua guarda, na sua residência na Beira, centro do país.

“Há sinais que favorecem a leitura de que se aposta na solução militar. O acontecimento na Beira, os ataques às caravanas do líder da Renamo e as movimentações de meios militares dão indicações nessa direcção”, afirmou João Pereira, professor de Ciência Política na Universidade Eduardo Mondlane (UEM).

A via militar, assinalou o académico, não poderá resolver a crise, pois a Renamo e o seu braço armado contam com uma base social alargada, as forças de defesa e segurança não têm capacidade para derrotar uma guerrilha em todo o território e a situação económica do país não aguenta uma nova guerra por muito tempo.

“O ‘Nó Górdio'” [operação militar do regime colonial português] não derrotou a guerrilha da Frelimo [Frente de Libertação de Moçambique], a Frelimo não venceu a Renamo durante os 16 anos de guerra civil e não me parece que consiga agora”, frisou João Pereira.

Para o académico, há alas na Frelimo, partido no poder, que se sentem tentadas a enveredar pela via militar, porque se recusam a aceitar cedências à Renamo e por parte do movimento de oposição há sectores que também entendem que este é o momento para ver as suas reivindicações acomodadas.

“A actual disputa tem mais um cariz patrimonial por parte de alas dos dois partidos – do lado da Frelimo, há interesse em manter privilégios e do lado da Renamo em ascender aos benefícios dos recursos”, destacou.

Na opinião do politólogo, o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, deve resolver rapidamente a situação, apostando no diálogo com a Renamo, porque, nos próximos tempos, poderá ter de gerir uma situação social complicada, devido à tendência de aumento da inflação, retracção dos investimentos e abrandamento da economia.

Por seu turno, José Macuana, também docente de Ciência Política na UEM, defende que os recentes acontecimentos apontam para uma aposta no “confronto” e contradizem as declarações de compromisso com a paz dos principais líderes políticos.

“É um momento crítico em termos de estabilidade e, acima de tudo, em termos da ambiguidade com que este assunto está a ser visto pelos atores envolvidos, porque dizem que vai haver um diálogo e depois dizem que não se encontram para poderem conversar”, apontou.

O académico referia-se às declarações na semana passada de Nyuso de que está disponível para conversar com Dhlakama, mas não o encontra.

“Parece faltar um rumo claro sob o ponto de vista de solução da crise, não se está a fazer a política num sentido benigno do termo, porque eu assumo que a política é uma forma de resolver problemas, porque se não fosse, iriamos pelo lado técnico”, acrescentou Macuana.

Sobre a exigência da Renamo de apenas aceitar o diálogo sob presença de mediadores internacionais, o politólogo defende que esse tipo de intervenção não será solução sem vontade política.

“Podem chamar-se quantos mediadores quiserem, mas se não existir essa vontade, que é básica, não vai ajudar em nada, já se fez isso antes e não deu em nada”, enfatizou.

Entre setembro registaram-se dois incidentes entre a guarda de Dhlakama e as forças de defesa e segurança em Manica, a que se somou cerco à sua residência na Beira a 09 de outubro.

Ainda no quadro da actual crise, têm sido reportados confrontos nos distritos de Tsangano, província de Tete, Gorongosa, província de Sofala, e Morrumbala, província da Zambézia, centro do país.

Foto: Carlos Serra, Maputo


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.