1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

ng4939986Angola - Rede Angola - [Aline Frazão] Quatro longos meses do mais longo cacimbo. Finalmente anunciada a data do início do julgamento dos activistas que têm estado no centro da vida política angolana.


A notícia foi como uma espécie de válvula de descompressão social, num momento em que o país está na boca do mundo, e não pelas melhores razões.

Depois de um mês de greve de fome, Luaty Beirão ocupou um espaço mediático correspondente à gravidade do seu estado de saúde mas que acabou por remeter os demais presos políticos para um perigoso segundo plano. O seu nome encheu praças e capas de jornal, hashtags e cartazes, de Luanda a Lisboa, sem nunca conseguir com isso abrir uma brecha de negociação com o governo, pelo menos até onde é sabido.

A inflexibilidade do Estado angolano, perante uma exigência que merece ser ouvida, não só pelo atropelado desenrolar do processo, mas também pelo risco de vida eminente do Luaty, deixa Angola mal vista, dentro e fora de portas. Em nome da liberdade individual, tantas vezes limitada por bem menos, assistimos a um “lavar de mãos” por parte do Governo, obviando o facto dos activistas estarem detidos em instalações penitenciárias, sob a responsabilidade de um Estado que tem o dever de proteger a vida.

Mas é certo que a pressão tem surtido algum efeito. Cada vez mais gente se posiciona publicamente sobre o assunto dos 15+2. As críticas sobre como o Governo tem gerido este caso chegam mesmo desde dentro do MPLA. No que diz respeito ao Luaty, também ele viu a sua condição melhorada. Só que enquanto ele recebia assistência médica adequada à sua condição, numa clinica privada providenciada pelo Estado, refira-se, surgiam rumores de agressões aos outros presos, inclusive a Albano Bingobingo, um dos que está em greve de fome. Aqui se vêem as consequências de uma reivindicação demasiado focada num deles, em vez de em todos. Adivinha-se também um certo aproveitamento, procurando dividir o grupo e até mesmo as famílias.

Entretanto, é triste observar o esforço para descredibilizar uma onda de solidariedade que se levantou espontaneamente, fruto exclusivo do cacimbo angolano, tão distante das primaveras que nos tentam impingir ao jantar. De um lado, Luaty continua em greve de fome. Tenho lido a palavra “herói” demasiadas vezes. É daquelas palavras que a imprensa gosta, palavras que vendem jornais. Mas como disse Mia Couto, muito bem lembrado na excelente carta de Luís Bernardino, “infeliz do país que precisa de heróis”.

De outro, a Justiça está, hoje mais do que nunca, entre a espada e a parede, entre a pressão da sociedade civil e a pressão do poder político. O terceiro factor de pressão é, sem duvida, o tempo. Por mais que se tente adiar, a decisão mais sensata, capaz de acalmar os ânimos e restituir algum norte para que as investigações prossigam, é que eles aguardem pelo dia 16 em casa. Só assim se alivia o desgaste político e emocional acumulados, a manipulação mediática e a indignação da sociedade. Habeas Corpus já, para todos. E que já seja hoje.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.