1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

Colômbia: Mais de 4 mil cadáveres dos 10 mil desaparecidos identificados eram menores de idade

280511_menores-colombiaColômbia - Ópera Mundi - Mais de 4 mil dos 10 mil corpos de vítimas da violência, enterrados como indigentes nos cemitérios da Colômbia eram de menores de idade, segundo informou o ministro do Interior, Germán Vargas Lleras, nesta sexta-feira (27/05).


"Diante destes números e diante da dor ainda maior que os números no podem refletir, a identificação dos corpos deve ser uma prioridade do Estado colombiano", disse durante uma prestação de contas do processo de identificação de quase 10 mil desaparecidos no país.

Segundo o ministro, em pouco tempo o governo colombiano conseguui indentificar 9.968 pessoas que foram enterradas como indigentes, algumas delas que inclusive apareciam nos registros oficiais como desaparecidos.

Os 12.724 corpos restantes, qualificados como "não nomeados", não puderam ser identificados. Em sua maioria, a impossibilidade para a identificação se deu por que a impressão digital da vítima estava detriorada e com isso não foi aceita pelo cartão identificador. Em outros casos, as vítimas não possuiam registro ou poderiam ser imigrantes ilegais.

A representante da Oficina do Alto Comissariado das Nações Unidas pelos Direitos Humanos, Christian Salazar, enalteceu a rapidez com que as operações de idenficicações foram realizadas e elogiou o governo colombiano.

"O governo deu uma forte atenção as vítimas com a Lei das Vítimas e demonstrou vontade de esclarecer o que aconteceu. Acredito que a Colômbia está indo muito bem", disse.

Salazar também pediu apoio do ministério da Defesa e das Forças Armadas para identificar os corpos

dos centenas ou milhares de pessoas que aparecem como "mortos em combate não indetificados" e rea brir os processos que a Justiça militar fechou, especialmente entre 2002 e 2006, de pessoas aparentemente mortas em Antioquia e Meta, no sul del país.

Se calcula que alrededor de 2 mil jóvenes pobres, marginados, estudiantes y campesinos fueron asesinados por militares, quienes los hicieron pasar por guerrilleros para así cobrar premios por la muerte de enemigos u obtener más vacaciones o ascensos. En Colombia este escándalo se conoce como los falsos positivos.

Segundo um relatório de 2009 da Procuradoria-Geral, o Exército matou mais de dois mil jovens, que depois foram apresentados como baixas de combate. A maioria dos assassinatos aconteceram durante os governos do ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010), de quem o atual presidente, Juan Manuel Santos, foi ministro da Defesa.

Na Colômbia, o termo "positivo" significa capturar ou eliminar pessoas consideradas inimigas do Estado. Uma das práticas dos militares é assassinar civis que não têm relação com o tráfico nem com a guerrilha para aumentar o número na prestação de contas do combate às drogas e às Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.