1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

unidade de rastreio de cancro de mama 2 visualizacao do que pretendemos para a unidade do projecto 51 0Portugal - Esquerda - Registo Oncológico aponta as assimetrias regionais no que respeita ao rastreio, e que se traduzem numa maior incidência e mortalidade associada ao cancro em determinadas regiões, e revela que hábitos alimentares influenciam o surgimento de cancros como o cólon e reto.


A falta de rastreios organizados ao cancro pelas autoridades de saúde em algumas zonas do país, ou a sua manifesta insuficiência, traduz-se em assimetrias regionais que são bem visíveis no que concerne, por exemplo, à incidência da taxa de incidência do cancro do colo do útero, que é bem mais elevada na região Sul do que no resto do país e o triplo do que acontece nos Açores ou o dobro da região Centro.

Segundo a coordenadora do Registo Oncológico Nacional, o acesso generalizado aos rastreios poderia reduzir mortes por cancro no colo do útero em 80%.

“A eficácia do rastreio é comprovadamente muito grande. Se toda a gente aderisse, um rastreio organizado diminuiria a mortalidade em cerca de 80%”, referiu Ana Miranda, acrescentando que “o rastreio do colo do útero é o único que consegue detectar lesões pré-malignas”.

Ana Miranda alertou que esta falha nos rastreios também é sentido noutros tipos de cancros, como o do cólon e o reto e o da mama e que a mesma tem consequências não só na incidência da doença mas também na mortalidade que lhe está associada.

Pelo menos um milhão de mulheres não tem acesso a rastreio ao cancro da mama. Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, os únicos rastreios disponíveis são os da Liga contra o Cancro. Um rastreio generalizado a todo o país, “pelo menos conseguia trazer [ao rastreio] mulheres com tumores em estádios mais precoces, em que o tratamento é mais eficaz”, defendeu a responsável.

Hábitos alimentares dos portugueses têm impacto no cancro

O estudo nacional revela ainda que os hábitos alimentares dos portugueses têm impacto no cancro.

A coordenadora do Registo Oncológico Nacional assinala que, por exemplo, a maior incidência do cancro do cólon está associada ao facto de, nas últimas décadas, os portugueses terem passado a comer mais hidratos de carbono, gorduras ou fast-food e terem diminuído o consumo de verduras e peixe. Os hábitos alimentares no Norte contribuem para uma maior incidência nesta região deste tipo de cancro.

As taxas de incidência do cancro do cólon e do reto são mais elevadas nas grandes cidades e periferias ou mais baixas nas regiões litorais e agrícolas.

Cancro da mama e da próstata são os mais comuns

Segundo os dados publicados, o país diagnosticou 44.605 novas neoplasias malignas, 24.220 nos homens e 20.385 nas mulheres.

Os cancros mais comuns em Portugal são o da mama, que conta com 6.027 novos doentes por ano, da próstata, com 5.433, e dos brônquios e pulmão, com 3.512. Destacam-se ainda o cancro do cólon (4.951 casos), estômago (2.942) e reto (2.481) e ainda os tumores na bexiga, glândula tiroideia e linfoma não-Hodgkin, com 1.000 a 2.000 novos casos por ano.

O cancro mais mortífero continua a ser o do pulmão. “É, de longe o tumor mais importante, porque, apesar de ter uma incidência mais baixa, continua a ser o mais letal”, afirmou Ana Miranda.

A mudança de hábitos está, no entanto, a traduzir-se no aumento dos casos de tumor no colón.

“Subiu substancialmente. Passámos de 30 por 100 mil em termos de casos incidentes para 48/49 por 100 mil. Estamos quase a par do cancro no pulmão e certamente que o vai ultrapassar”, referiu a coordenadora do Registo Oncológico Nacional.

O estudo anual, que é divulgado esta quarta-feira num encontro que reúne mais de 150 especialistas nacionais e internacionais da área do cancro, apresenta dados de 2009, os mais recentes disponíveis para traçar o retrato do cancro em Portugal.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.