1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

21802123698 1644e6123e zTurquia - Esquerda Diário - [Josefina L. Martínez] Turquia exigiu outros 3 bilhões de euros para conter os refugiados em seu território UE trafica com o regime assassino de Erdogan enquanto milhões de refugiados estão presos na Grécia.


Os 28 mandatários da UE se reuniram em Bruxelas com o primeiro ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, para buscar uma "solução" para a crise dos refugiados. A Turquia pediu outros 3 bilhões de euros, por cima de uma cifra similar ja comprometida, para deter os refugiados fronteiras para dentro. Também reclamou para que se acelere a liberalização de vistos para cidadãos turcos para a UE.

O presidente do Parlamento Europeu confirmou que a UE está disposta a negociar estas condições com Turquia: "Se solicitou 3 bilhões adicionais de dinheiro para 2018. O Parlamento Europeu está disposto a fazer o que possa para acelerar o processo", disse Schulz.

Estes 6 bilhões de euros constituem um montante muito superior ao que a Grécia se viu obrigada a cortar em pensões e outros gastos em seu orçamento de 2016 para cumprir com as exigências da Troika (2,53 bilhões). Agora, os receberá o Estado Turco em troca de garantir um "cerco" firme para cortar a onda migratória que chega a Europa desde Síria, Iraque, Afeganistão, e outros países. Turquia se compromete a aceitar de forma imediata "todos" os refugiados que cheguem a Grécia e aos considerados "imigrantes econômicos ilegais" rechaçada pela UE. A troca solicita que se habilite um mecanismo para mudar os refugiados desde este país para a UE, de acordo aos acordos estabelecidos por Bruxelas.

Este último ponto tem sido questionado por um bloco de países do Leste, que se negam a cumprir com os "acordos" propostos por Bruxelas e são os que tão implementando medidas mais restritivas para os refugiados fechando suas fronteiras. Por Este motivo, a cúpula não terminou com uma resolução clara, e a UE levará uma duas para responder as exigências da Turquia.

A reunião da UE com Turquia chega em um momento onde a repressão do regime de Erdogan contra toda oposição política e social tem alcançado níveis extremos. Tanto que na última semana o governo acabou com um jornal da oposição, reprimiu uma manifestação de mulheres pelo 8 de Março e continuou com sua ofensiva militar contra o povo curdo, assassinando ativistas e milicianos curdos. Porém nada se falou desses temas na cúpula europeia.

O cinismo dos mandatários europeus parece não ter limites. Neste Domingo, o presidente checo, Milos Zeman, disse em uma entrevista na televisão que a Grécia poderia pagar sua dívida instalando centros de deportação onde juntavam-se os refugiados e deportação para os países europeus. "Uma ideia original que poderia matar dois pássaros de um tiro", disse Zeman.

"Construíram-se centros de detenção mas Ilhas gregas, aonde seriam deportados os imigrantes desde da Europa (...) e, ao manter esses centros de detenção, Grécia pagaria sua dívida externa, de outro modo incobrável", explicou.

Grécia, ‘armadilha de almas’

A região de Idomeni na Grécia transformou-se em um inferno para mais de 10.000 refugiados, aos que impedem passar pela fronteira da Macedônia para a rota dos Balcãs. Macedónia tem estabelecido uma "quota" diária de não mais de 500 refugiados e está devolvendo muito deles.

O acampamento de Idomeni esta completamente inundado. Jornalistas e ativistas de ONGs presentes no lugar informam que os refugiados devem fazer filas de várias horas para receber água ou um sanduíche, que não há banhos e os meninos doentes pelo frio e pela chuva.

A negociação da UE com Turquia não busca uma saída de fundo a crise dos refugiados, mas sim evitar que sigam chegando a Europa, assim já não serão um "problema europeu".

Numerosos ativistas e organizações estão dizendo que é urgente e necessário um movimento massivo pela liberdade de circulação das pessoas, direitos plenos para os refugiados, abolição de todos os centros de detenção para estrangeiros e fim das deportações, anulação de todas as restrições para imigrantes e das leis migratórias vexatórias, proteção social imediata para os refugiados, mulheres e meninos e criação de trabalhos genuínos. Uma demanda que está ligada a luta contra todas as interferências e guerras imperialistas que são Fonte permanente de conflitos e deslocamentos massivos de populações, fugindo da miséria e das guerras.

Foto: Martin Schulz


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.