1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

050316 janCuba - Prensa Latina - Um fato pouco conhecido marcaria em 1925 a vida dos moradores desta cidade costeira do norte da província de Matanzas. Foram anfitriõe no primeiro contato entre cubanos e soviéticos.


Oito anos antes, em novembro de 1917, triunfava na Rússia a Revolução Socialista de Outubro, e para agosto de 1925 anunciava-se a chegada de um barco soviético a portos cubanos para levar açúcar.

Segundo o pesquisador Arnaldo Jiménez de la Cal, a notícia despertou duas atitudes opostas: enquanto o regime de Gerardo Machado tratava de minimizar o acontecimento, operários, camponeses e estudantes organizavam festejos de recebimento.

"O governo machadista, para evitar o contato com as massas, confinou o navio ao afastado porto de Cárdenas (140 quilômetros ao nordeste de Havana)", assinala um texto de Jiménez de la Cal.

A embarcação a vapor Vatslav Voroski entra na costa cardenense em 4 de agosto de 1925, e um colunista do jornal de Matanza El Imparcial cumprimentava a chegada com um artigo intitulado Bienvenido Vatslav Voroski.

"Desde o III Congreso Nacional Obrero, seus delegados protestavam contra o isolamento da embarcação, e o Agrupamento Comunista da capital, fazia um chamado para realização do ato de boas-vindas", destaca Jiménes de la Cal.

De acordo com o historiador, o líder juvenil Julio Antonio Mella, que presidia as atividades de recebimento, decidiu visitar a embarcação e viajou para essa vila, também chamada de Ciudad Bandera.

Existe uma versão romântica de que Mella, um desportista nato, de muita força física e destacado em várias modalidades, nadou do cais até o barco que estava ancorado nos arredores da baía.

Mas a verdade é que Mella entra em contato com os dirigentes do Centro Obrero, e lhe apresentam a Longino Peraza (Leo), fornecedor de água potável aos navios em sua lancha nomeada Los ocho hermanos.

Peraza conduziu o líder comunista até a embarcação em 6 de agosto, onde permaneceu várias horas e foi recebido pelo capitão Iván Culaggi, indica o trabalho de Jiménez de la Cal.

A experiência -também destaca o professor universitário- "foi transmitida em uma conferência em 9 de agosto intitulada Cuatro horas bajo la bandera roja e publicada em Lucha de Clases, órgão do Agrupamento Comunista de Havana".

TAMBÉM EM MATANZAS

Como Cárdenas carecia da quantidade suficiente de açúcar para completar o ônus, o navio do nascente país se viu obrigado a se mover até a cabeceira de Matanzas.

"A partir da tarde do 15 de agosto, tremulou a bandeira soviética pela primeira vez nesse porto", destaca Jiménez de la Cal.

O jornal El Imparcial escreveu outro artigo: "Silenciosamente, ainda que representante do sovietismo, está na costa matancera o barco mercantil russo Vastlav Voroski".

"As mesmas restrições que suportaram os russos em Cárdenas, voltaram às enfrentar em Matanzas. Não puderam atracar e se viram em alto mar, proibidos de descer a terra", indica Jiménez de la Cal.

No entanto, a atenção e a constância dos matanceros romperam as barreiras, e durante os seis dias de estâncias em águas da região os marinheiros foram visitados por delegações de operários, intelectuais e jornalistas.

A Hermandad Ferroviaria de Matanzas organizou para os tripulantes uma homenagem no bairro de Pueblo Nuevo, e frente a pressão das autoridades portuárias tiveram que permitir que quatro marinheiros descessem da embarcação em 20 de agosto.

"Desta maneira formalizou-se o primeiro ato de solidariedade cubana com a pátria de Lenin, ao qual assistiu representantes desse país", sublinha Jiménez da Cal.

Completo o estoque, o Vastlav Voroski levantou âncoras em 21 de agosto e partiu para a primeira terra socialista da órbita, depois de deixar uma gratificante marca no território de Matanzas.

*Correspondente da Prensa Latina na província de Matanzas


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.