1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

050715 mapucheMapuche - Adital - [Andrés Figueroa Cornejo] No último dia 26 de junho, a Comissão de Ética contra a Tortura fez a entrega de um reconhecimento como um dos principais lutadores sociais do período ao líder mapuche Héctor Llaitul Carrillanca, membro fundador e voz da combativa Coordenadoria Arauco Malleco, CAM.


"(Lautaro) Se hizo velocidad, luz repentina. / Sólo entonces fue digno de su pueblo.”

Pablo Neruda

 A cerimônia foi realizada no auditório do jesuíta Colégio San Ignacio, de Santiago do Chile. Entre muitas figuras do território dos interesses dos povos afetados, se encontrava o doutor em História Sergio Grez (https://es.wikipedia.org/wiki/Sergio_Grez) e a figura única do sacerdote jesuíta José Aldunate (https://es.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Aldunate).

Em um país que se caracteriza muito pouco por reconhecer a estatura política, épica e ética dos seus lutadores/as populares em vida, o jornalista que realizou a presente entrevista não pode deixar de testemunhar a evocação autêntica de significar em Héctor Llaitul a artéria rebelde, valor e lucidez de um dos filhos diretos do héroi mapuche, que combateu o invasor espanhol há quase meio milênio, Lautaro (https://es.wikipedia.org/wiki/Lautaro).

Qual é a situação da resistência mapuche frente à ofensiva cada vez mais sofisticada, política e militarmente, contra o Povo-Nação Mapuche por parte do Estado capitalista chileno, quando já começa julho de 2015?

"Neste tempo, nós estamos assumindo o We tripantu (https://es.wikipedia.org/wiki/We_Tripantu), que tem relação com um período específico, talvez o mais importante para os mapuche no âmbito cosmo-visionário e cultural. Ele nos oferece mais elementos para fortalecer as matrizes do nosso sistema de ideias. E a partir desse pensamento provém todo o nosso posicionamento como mapuches autônomos e revolucionários.”

E, pontualmente, qual é a potência significativa do We tripantu?

"Tem relação com a restituição do weichan (http://www.significado-diccionario.com/Weichan). O We tripantu é o ciclo em que a natureza orienta a nossa gente e, em consequência, nós devemos nos subordinar a esse mandato. Recebemos este ciclo com todo aquele que corresponde à nossa compreensão, nossa cultura, nossas práticas. Agora bem, os mapuche revolucionários lhes damos uma conotação dentro do atual contexto de luta.”

Que vínculo existe entre a celebração do We tripantu e o presente marco de luta, então?

"Se este é o tempo das chuvas, da umidade, dos frios, em que a terra recebe novamente o vigor, o newen, de maneira natural, nós caminhamos em relação direta com a mapu e vamos recebendo o newen. Nós o entendemos como o renascimento da força, como o restabelecimento do weichan. Ela é a convocatória que temos os mapuche para continuar lutando por nossos territórios e nossa autonomia.

Esta é a hora em que nos reenergizamos com a terra, com a mapu e seus elementos. E, hoje, postulamos, com muito mais força, a luta territorial e autonômica. Nesse plano, ressignificamos a cosmovisão nossa para alimentar nossas ideias próprias.”

Em que consiste o futuro autonomista?

"No processo de buscar nossa independência política e ideológica. Estamos construindo um pensamento nosso para a partir daí potencializar nossa libertação. Há tempos que estamos dizendo que não vamos seguir ligados a outros paradigmas, mas que vamos recuperar o que, ancestralmente, nossos antepassados nos legaram. Até agora essa herança permanece vigente para a batalha por nossos direitos. Nossos antigos líderes tinham essa concepção e lutaram en todos os âmbitos junto ao seu povo.”

A visão de mundo com que observam, fizeram antes e fazem hoje mesmo, são as armas para os combates atuais…

"Em efeito. E se vê, perfeitamente, na presente confrontação contra o extrativismo e contra o sistema capitalista, que tem atua em nossos territórios. Isto nos obriga a propor, com superior energia, o que a Coordenadoria Arauco-Malleco realiza (CAM, http://www.weftun.org/). Porque nós nos movemos de acordo com os ciclos da terra também. E por isso nós outorgamos um significado novo aos mapuche, aos lonko (http://www.significadode.org/lonko.htm), às machi (https://es.wikipedia.org/wiki/Machi), aos weichafe (http://fiestoforo.blogspot.com/2010/04/vocabulario-mapuche-weichafe.html), e que corresponde em persistir na formação das condições concretas para dar continuidade à luta que temos empreendido.”

O autonomismo revolucionário. O anticolonialismo, antiimperialismo e anticapitalismo. A unidade.

Em que momento está a CAM?

"Queremos constituir uma referência política e ideológica. Queremos ser contribuição e aporte no processo de libertação, como desenvolvimento natural da própria visão do nosso povo.”

E em que situação está a luta concreta do povo mapuche como conjunto, como relações de força, como movimento real, que age após sua libertação e direitos violados?

"O povo mapuche está em uma permanente dominação geral, própria do colonialismo. O Wallmapuche sofreu e sofre, a sangue e fogo, a transnacionalização produto da mundialização capitalista. Por isso nós enfrentamos a resistência a partir dessa condição concreta e destrutiva do capitalismo. Por isso também a CAM está, e consideramos que todo o povo mapuche deve estar em busca de um projeto político libertador.”

Em que direção política central prática deve encontrar-se o povo mapuche?

"O mais importante é que o nosso povo discuta, debata, que exista muito trawn em seu interior, para que os pilares político-estratégicos do movimento mapuche provenham genuinamente de si mesmos.

Se nós pleiteamos a restituição territorial autônoma, e a desejamos realmente, não podemos privilegiar lutas institucionais e funcionais contra o sistema que nos domina. Temos que impor modos de luta que confrontem diretamente o sistema e o Estado capitalista chileno. Em consequência, necessariamente, as forças são criadas sob o autonomismo revolucionário. Isto postulamos na CAM.”

Mas nem todos os mapuche em luta compreendem a autonomia dessa maneira…

"Sabemos disso. A respeito nós realizamos uma crítica a quem se resigna a uma autonomia relativa, a uma saída pactuada e negociada dentro dos marcos que estabelece a dominação. E também a CAM assume com a maior coerência possível essa concepção. Tem-se que legitimar e articular a autodefesa mapuche. Mas não é por uma eleição nojenta nem sobre-ideologizada, mas que se deve à contradição dos nossos direitos contra os interesses do Estado empresarial chileno e a forma como o poder impõe mediante a força a totalidade das condições da nossa luta.”

O que ocorre com a relação necessária entre as forças anticapitalistas mapuche e aqueles agrupamentos e pessoas não mapuche que pensam e atuam segundo essa mesma vontade, e pregam, aberta ou silenciosamente, por mudar a vida e a ordem do capital no Chile e no mundo?

"Nós somos anticolonialistas, antiimperialistas e anticapitalistas. Os e as que lutam organizadamente contra o sistema devem ser capazes de formar suas próprias vanguardas. Em um contexto de relações de força mais favoráveis, a CAM perspectiva maneiras de entendimento e alianças estratégicas com todos/as que assumem similares princípios e objetivos. Agora, sempre e quando se respeitem profundamente os projetos políticos específicos de cada uma das forças. Inclusive, essa relação pode ir sendo formulada no curto e médio plazo porque os povos temos um inimigo comum.”


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.