1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

200216zika pobresBrasil - PCB - No Brasil, 70% das mães de crianças atingidas pela microcefalia vivem na extrema pobreza. Reportagem no Recife, capital de Pernambuco, epicentro desta malformação fetal suspeita de estar relacionada ao vírus Zika.


Outrora, filha cintilante da favela, Gleyse Kelly teve sua primeira depressão durante o aprendizado de sua quarta gravidez, apenas cinco meses após o nascimento de seu pequeno Nicolas. A segunda depressão veio quando a jovem descobriu que essa criança não desejada sofria de microcefalia. “De início, acreditei que era apenas um bebê com a cabeça pequena. Depois, vi na Internet e compreendi“. Ficou amedrontada. Aos 27 anos, a mãe de família ainda estudante, ficou sabendo que tinha dado à luz um bebê deficiente, consciente de que sua vida jamais seria a mesma, duvidando até mesmo de sua fé. “Eu me dizia: por que Deus fez isso comigo?”

Gleyse se recorda perfeitamente da data: 28 de abril de 2015. Aos quatro meses de gravidez, ela observou manchas vermelhas no abdômen e nos braços quando voltava de seu trabalho no pedágio da estrada que leva ao Recife, capital do estado de Pernambuco, no Nordeste do Brasil. Um pouco febril, ela de início pensou que fosse alergia ao tecido áspero de sua blusa. Depois, seus vizinhos em Ibura, bairro pobre da periferia do Recife, constataram os mesmos sintomas sem outras consequências. Até ali ela não desconfiava de nada.

Hoje, sua filha Maria Giovanni tem quatro meses, tem as orelhas furadas como todos os bebês meninas no Brasil e sua mãe luta para que sua filha consiga um dia falar, andar e que deixem de “vê-la como se tivesse vindo de outro planeta“. Uma “guerreira” como outras no Pernambuco de hoje onde se contam mais de um milhar. Com 1.147 notificações de microcefalia, a região Nordeste do Brasil é o epicentro dessa malformação fetal suspeita de estar ligada ao vírus Zika, transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti. O inseto responsável pela Febre Amarela, pela Dengue e pela Chicungunya seria o vetor deste mal terrível e estranho que contagiou perto de 4.000 recém-nascidos no Brasil e afeta também mais de vinte países da América. Um mal que quase sempre vem acompanhado de outras complicações tais como: membros deformados, problemas de visão, de audição, convulsões e crises de epilepsia.

Apenas uma vacina, o medo

No Recife, rebatizado como “capital do Zika“, a doença foi detectada no mês de setembro de 2015. Na época, a médica Angela Rocha, pediatra especializada em doenças infecciosas no Hospital Oswaldo Cruz já se questionava: semana após semana, chegavam mulheres às dezenas para consultas de recém-nascidos microcéfalos. Além disso, nos exames de ultrassom de mulheres grávidas, os cérebros minúsculos dos fetos apresentavam calcificações, cicatrizes evidentes de lesões infecciosas. “Não poderia se tratar de uma doença cromossômica“, diz ela. Em outras maternidades, ocorre a mesma estupefação.

A secretária de saúde do Estado de Pernambuco foi alertada, assim como os especialistas Carlos Brito, no Recife, e Kleber Luiz, em Natal no Estado do Rio Grande do Norte, os especialistas que, em março de 2015, anunciaram o surgimento no Brasil desse vírus, identificado em 1947 na Floresta de Zika, em Uganda. Depois de eliminar uma a uma as outras possibilidades – rubéola, cytomegalovírus e toxoplasmose ... – Carlos Brito chegou a uma conclusão: “Somente um mosquito seria capaz de provocar uma epidemia de tal proporção em cidades tão distantes”. A aparição de manchas vermelhas durante a gravidez da maioria das mulheres reforça sua hipótese: Zika: “um vírus que tem preferência por atacar o sistema nervoso central“.

Quase anódino e mesmo assintomático na maior parte dos adultos, salvo em alguns casos raros nos quais ele estará na origem da Síndrome de Guillain-Barré (ataque às raízes nervosas com algumas paralisias durante semanas ou meses), a epidemia vai infectar milhares de nascituros no útero. Em novembro de 2015, o estado de urgência foi decretado em Pernambuco e em dezembro no Brasil. A epidemia estava se difundindo com uma velocidade inquietante quando, em fevereiro, a Organização Mundial da Saúde alertou o mundo inteiro.

No Oswaldo Cruz, as mulheres chegam aos prantos, sem horário marcado, ao consultório da Dra. Rocha. “A literatura médica não nos dá qualquer resposta“, enfatiza ela. Algumas mulheres podem contrair o vírus sem contaminar o feto, outras, sim. A gravidade da lesão não obedece qualquer regra, cada caso é único. “Nós abrimos um novo capítulo na história da medicina“, observa o professor Brito.

Em face de tanto mistério e desconhecimento, os rumores sussurram respostas fáceis: o verdadeiro culpado seria um lote vencido de vacinas contra a rubéola. “Insensato, responde Brito com tristeza. Tentamos tornar controlável tudo aquilo que não o é”. Hoje, por falta de remédio, os médicos não encontraram outra vacina que não o medo, desaconselhando as mulheres a ficarem grávidas por alguns anos e declarando guerra ao mosquito criminoso.

Neste início de fevereiro, a cidade balneária com seu charme à moda antiga, se prepara para o Carnaval nesse ambiente misturado de angústia com paranoia. No início da manhã, as equipes do Sistema Único de Saúde (SUS) apoiadas pelo Exército, lançam inseticida pelas ruas do centro histórico onde desfilará o Bloco Carnavalesco Galo da Madrugada. Durante o dia elas visitarão as casas nos bairros elegantes assim como aquelas na periferia para detectar e eliminar as larvas dos mosquitos alojadas em recipientes com águas paradas.

‘É preciso vir todos os dias”, afirma Vania Freitas, responsável pela vigilância do SUS. Outro dia, ela veio repreender Carlos, um sem-teto que guardava com lixo num latão para acumular água da chuva. Um trabalho de Sísifo que deveria estar sendo feito há muito tempo se a atenção e os financiamentos públicos não estivessem sendo desviados para campanhas eleitorais e para a Copa do Mundo de futebol em 2014.

“Nos anos 1980, quando das grandes epidemias de dengue, houve uma forte mobilização. Depois, ano após ano, as ações não tiveram o mesmo efeito. A dengue passou a fazer parte da paisagem“, reconhece Jailson Correia, secretário de saúde da Prefeitura do Recife. A construção caótica da cidade e a escassez de água, que levava os moradores a guardá-la em reservatórios mal vedados, fizeram o papel de berçário para o Aedes Aegypti. Vencida, a Prefeitura interrogou-se sobre uma coisa: será necessário cancelar o Carnaval, festa de brincadeiras e de alegria? Garrafas esvaziadas pelo gargalo, gravidezes não programadas e a chegada de turistas amedrontaram as autoridades. Mas ainda bem que o vírus de espalhou por todo o Brasil e pelos países vizinhos. A Prefeitura e o Estado de Pernambuco preferiram informar a respeito da microcefalia e dos perigos do mosquito distribuindo folhetos do centro da capital ao aeroporto e também centenas de milhares de preservativos.

“Deus não faz milagres”

A sociedade civil e as influentes Igrejas Católica e Evangélica juntaram-se à luta. D. Antonio Fernando Saburido, arcebispo de Pernambuco organizou um concurso em suas paróquias para recompensar a melhor iniciativa para combater o mosquito. “Nós temos feito também um grande trabalho de educação nos bairros periféricos, destaca Vandson Holanda, colaborador do arcebispo. Explicamos especialmente às mães de crianças microcéfalas com menos de 14 anos, que Deus não faz milagre. Que apenas o hospital faz milagre”.

O Aedes Aegypi não é, a rigor, um mosquito democrático. Já que ele pode, teoricamente, picar tanto um burguês como um proletário, 70% das mães de crianças atingidas pela microcefalia no Brasil vivem na extrema pobreza, afirmou na terça-feira, 2 de fevereiro, o jornal local, Diário de Pernambuco. No Recife, a equação se verifica. Ibura, o bairro popular, apresenta o maior número de casos de microcefalia. Nessas áreas, o mosquito prolifera, as jovens ficam mais fácil e acidentalmente grávidas, não têm meios nem vontade de abortar clandestinamente (o aborto é proibido no Brasil), nem mesmo de usar os repelentes de mosquitos mais eficazes, o “Exposis Extreme“, não mais encontrado no comércio e vendido a preço de ouro no mercado negro.

Nos corredores da Associação de Assistência à Criança Deficiente do Recife, a maior parte dessas jovens mães raramente ganham mais que o salário mínimo (880 reais ou 202 euros). Recebidas nesse Centro para começar a assumir seus filhos que deverão ser estimulados ao longo de sua vida, elas gastam uma, duas, três horas para ir com eles ao fisioterapeuta, ao fonoaudiólogo e ao psicólogo. “Muitas vezes presas no meio de um turbilhão, algumas pensam que à custa de trabalho, a cabeça de seu filho vai crescer e que tudo vai se acertar“. suspira da médica Vanessa van der Linden, especialista em neurologia. Após uma fase de negação seguida de desespero, algumas se tornam combatentes, centradas no progresso que poderá, graças a elas, chegar a seus filhos. Outras ficam desligadas e revoltadas.

“Não é uma doença que o Brasil deverá gerir, mas duas. Essas mães deverão deixar seu trabalho para se ocupar de seu filho durante toda a sua vida. Não existe estrutura no Brasil. Algumas irão se esquecer de viver e deverão se reinventar“, destaca Pollyana Dias, da Aliança de Mães e Famílias de Crianças Atingidas por Doenças Raras (AMAR), lembrando que 78% das mães de crianças deficientes foram abandonadas pelos maridos. “Como essas mães se sairão? O Estado lhes oferece um salário mínimo ao passo que uma consulta com um neurologista privado custa mais de 400 reais (91 euros)“, revolta-se Daniela Rorato, presidente da AMAR. Cansadas, algumas abandonarão o tratamento, cessando a maratona de visitas semanais aos diversos especialistas, lamenta-se Pollyana Dias.

O mosquito Aedes Aegypti aparece assim como um desafio de saúde pública comparável à epidemia de poliomielite do Século XX que o Brasil em crise econômica, orçamentária e política não parece capaz de enfrentar. Nesta linha, o Ministro da Saúde, Marcelo Castro, confessou este fato ao admitir, no fim de janeiro, que o país “estava a caminho de perder a batalha contra o mosquito“. Sem dúvida um atestado que ressoa como um pedido de socorro ao mundo inteiro.

Le Monde, 16 de fevereiro de 2016

Traduzido do Francês por Argemiro Pertence


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.