1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

mabeBrasil - Brasil de Fato - Após decretar falência, Mabe, de origem mexicana, demitiu 2 mil trabalhadores.


Quase dois mil funcionários da Mabe, empresa de origem mexicana, ocupam há uma semana as unidades da companhia em Hortolândia e Campinas, interior de São Paulo. Com salários atrasados desde dezembro do ano passado, os trabalhadores foram demitidos no último dia 10, sem perspectivas de receber as verbas rescisórias.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região, o objetivo das ocupações é reverter as demissões. Os trabalhadores vivem uma situação incerta: nenhum deles recebeu guias para o saque do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), tampouco os termos para receberem seguro-desemprego.

O presidente do sindicato, Sidalino Orsi, declarou à Agência Brasil que a empresa opera uma manobra financeira. “É um golpe para forçar a empresa a quebrar e, depois, conseguir um novo CNPJ [Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica], retomando a produção com mesmos maquinários e instalações sem nenhum passivo jurídico”, disse.

Empresa

A mexicana Mabe produz fogões e geladeiras das marcas Dako e Continental. No seu país de origem, a companhia é uma das maiores no ramo da linha branca, destinando 70% de sua produção para os EUA.

A reportagem do Brasil de Fato, tentou entrar em contato com Cocinas Mabe S/A, Exinmex S/A e Mabe Mercosur Participações Ltda, empresas responsáveis pelo contrato social da Mabe no Brasil, mas não obteve retorno.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.