1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (0 Votos)

220416 nerudaChile - Prensa Latina - Um cinto preto encontrado no caixão de Pablo Neruda aparece hoje como prova emblemática, para reforçar a hipótese de que o Prêmio Nobel de Literatura foi assassinado pela ditadura de Augusto Pinochet.


Em uma entrevista exclusiva com a Prensa Latina, a advogada Elisabeth Flores mencionou o detalhe anedótico que constituiu uma das passagens mais significativas relatadas por Rodolfo Reyes Muñoz, sobrinho de Neruda. Também advogado de profissão, comentou que quando foi realizada a cerimônia para o envio dos restos mortais do Cemitério Geral a sua casa de Ilha Negra, em novembro de 1992, apareceu no ataúde um cinto de cor negra.

"O coveiro o tinha tirado, a quem perguntei de que se tratava. Ao advertir o fato, como único membro da família presente, ordenei-lhe que o cinto fosse acomodado na nova caixa mortuária", anotou.

O doutor Reyes Muñoz assinalou a Prensa Latina que o cinto ficou junto aos restos de Neruda, em seu caixão novo e foi enterrado em Ilha Negra.

Recentemente, ao ser exumado para esta investigação, por interesse do sobrinho de Neruda, solicitou-se indagar sobre o cinto, com a esperança de que os resultados pudessem ser de grande relevância.

"Comprovamos que o largo do cinto tinha 119 centímetros e essa medida corresponde a um homem grande, gordo. Meu tio não estava caquético canceroso nem muito menos magro, como se afirmou em seu certificado de morte", reforçou Reyes Muñoz.

"A presença de estafilococo dourado em seus restos mortais, as contradições no certificado de morte e outros indícios, reforçam a suspeita de que a morte de meu tio foi causada por terceiros", afirmou.

Na próxima segunda-feira 25 de abril, o autor de Vinte Poemas de Amor e uma Canção Desesperada será objeto de um novo tributo póstumo na sede do ex-Congresso do Chile nesta capital. Um dia mais tarde, seus restos voltarão à Ilha Negra.

"Esperamos levar de volta seus restos a sua casa de Ilha Negra, onde nós seus sobrinhos passávamos temporadas e nos permitiu pela primeira vez na vida ver o mar", apontou em torno da residência museu na província de San Antonio.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.