1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

050711_esperaMoçambique - Jornal de Notícias - Utentes do hospital rural de Massinga, em Inhambane, reclamam mau atendimento que se circunscreve nos atrasos sistemáticos para o início da actividade laboral por parte dos técnicos da Saúde afectos àquela unidade sanitária, por sinal de referência na região centro da província.


De acordo com o administrador do distrito, Rodrigues Tamele, os pacientes que demandam aquele hospital ficam muito tempo à espera de serem atendidos, criando deste modo um descontentamento dos doentes que vêm a sua situação clínica muitas vezes a deteriorar-se no leito do hospital, enquanto não são atendidos.

Rodrigues Tamele disse que estas reclamações são dirigidas ao Governo nos diversos encontros populares, bem como nas audiências que têm vindo a conceder aos cidadãos no quadro da implementação de uma governação participativa e inclusiva.

"Além das reclamações do público, nas nossas visitas àquele hospital deparamos com uma bicha de doentes que fica horas a fio à espera de ser atendida", disse o administrador do distrito.

Tamele explicou que uma das principais causas das enchentes e longas horas de espera que os doentes estão sujeitos no hospital de Massinga é motivada pelo reduzido número de técnicos existentes, uma vez que Massinga além de ser distrito mais populoso da província com cerca de 350 mil habitantes, recebe doentes idos de algumas zonas dos distritos vizinhos de Funhalouro, Vilankulo e Morrumbene.

"Nas primeiras horas, os técnicos se preocupam em prestar cuidados aos doentes internados nas enfermarias e mais tarde é vêm novos casos, recebendo primeiro casos graves e isto faz com que aqueles que chegaram muito cedo, ter que ficar por muito tempo no hospital", explicou Rodrigues Tamele.

Aquele dirigente disse que para reduzir as longas horas de espera que muitos doentes estão sujeitos, passa pela construção de mais unidades sanitárias, estando já em curso um processo de negociação de fundos para a edificação de um centro de saúde no bairro central da vila, bem como para a conclusão do centro de saúde de Chiúnze já em obras, localizado a 35 quilómetros da sede do distrito.

Estas unidades, segundo explica o administrador do distrito, principalmente a da vila, poderá em larga medida reduzir a pressão no hospital rural porque parte dos pacientes da vila-sede poderão ser assistidas nesse centro, ficando o hospital rural a atender casos graves, bem como pacientes transferidos dos distritos vizinhos.

Para a edificação do centro de saúde na vila da Massinga, Rodrigues Tamele disse que as negociações com os financiadores estão no bom caminho, indicando para próximo trimestre o lançamento do concurso da adjudicação da obra.

O administrador do distrito disse que concluídas as duas unidades sanitárias, nomeadamente a da vila e de Chiúnze, seguir-se-á uma análise do desempenho do pessoal da saúde no sentido de aferir com exactidão se as reclamações do mau atendimento no hospital rural de Massinga devem-se de facto a grande pressão ou desleixo dos técnicos ali afectos.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.