1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

130715 luandaAngola - Diário do Povo - A capital de Angola, Luanda, fica em primeiro lugar na lista das cidades “mais caras” do mundo por três anos consecutivos, e as três cidades chinesas, Hong Kong, Shanghai e Beijing, também entraram nos primeiros dez lugares da lista, disse uma pesquisa anual realizada recentemente pela empresa de consultoria norte-americana, William Mercer.


Segundo a pesquisa, as cidades asiáticas ocupam metade das dez cidades mais caras do mundo. Com a influência da depreciação da taxa de câmbio de Iene japonês (JPY), Tóquio caiu, pela primeira vez, fora dos top dez, ficando no 11º lugar.

Hong Kong subiu para o 2º lugar, enquanto Shanghai e Beijing ficam em 6º e 7º lugar, respectivamente. Por causa do aumento da taxa de câmbio de Renminbi (RMB), 9 cidades chinesas estão entre as 30 cidades mais caras do mundo.

Quanto às outras cidades asiáticas, Cingapura fica no 4º lugar, em quando Seul, capital da Coreia do Sul, no 8º lugar.

Além das cidades chinesas, as cidades da Suíça também ocupam 3 das primeiras 10 cidades na lista, incluindo Zurique, Genebra e Bern, porque o Banco Nacional da Suíça, banco central do país, anunciou, de repente, em janeiro deste ano, a dissociação entre franco suíço e euro, a fim de enfrentar a política de flexibilização quantitativa do Banco Central Europeu.

Por outro lado, o custo de vida em diversas cidades europeias diminuiu por causa da redução da taxa de câmbio de euro. Na região fora da zona do euro, a capital do Reino Unido, Londres, fica no 12º lugar, enquanto Copenhague, capital da Dinamarca, caiu 9 lugares no ranking, ficando no 24º lugar.

A cidade com maior queda no ranking é a capital russa, Moscou, de um dos primeiros dez lugares para o 50º lugar, por causa da influência da desvalorização de rublo.
Nenhuma cidade da América do Norte entrou no top 10 da lista deste ano. As cidades mais caras da América do Norte são Nova Iorque, Los Angeles, São Francisco e Washington.


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Última hora

Última hora

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.