O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Arquivado em: Bulgária  trabalhadores  neoliberalismo  protesto  
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

241211_bulgBulgária - World Socialist Web Site - [Anna Rombach, tradução de Diário Liberdade] 14 de dezembro de 2011. Nas duas últimas semanas, a Bulgária tem testemunhado protestos e uma greve por tempo indeterminado dos trabalhadores ferroviários. No dia 30 de novembro, na capital Sofia, dezenas de milhares de manifestantes se reuniram diante do parlamento. Os protestos são dirigidos contra o orçamento de 2012, que envolve medidas drásticas de austeridade, incluindo a elevação da idade de aposentadoria e cortes salariais para os trabalhadores do setor público.


O primeiro-ministro Boyko Borisov, que liderou um governo de minoria, nos últimos dois anos introduziu o programa de cortes após o seu partido conservador GERB (Cidadãos para o Desenvolvimento Europeu da Bulgária) emergir como o vencedor nas eleições locais e presidenciais realizadas no dia 30 de outubro. Isto significava que GERB controlava todos os principais postos do Estado.

Os protestos tiveram inclusive adesão do sindicato da polícia. “Somos contra esta reforma e o tipo de tomada de decisão por parte do governo”, afirmou um porta-voz do sindicato da polícia. Como a agência de notícias Novinite reportou, os trabalhadores nos setores da saúde e educação também têm protestado contra os baixos salários e a ameaça de demissões. Protestos de estudantes foram anunciados.

Em 24 de novembro, trabalhadores ferroviários iniciaram uma greve por tempo indeterminado em todo o país que continua cerca de duas semanas. Todos os dias, cerca de 80 por cento do tráfego de bens e de passageiros é afetado entre 08:00-16:00. As greves foram chamadas pelos dois principais sindicatos, o KNSB (Confederação dos Sindicatos Independentes da Bulgária, o sucessor do sindicato stalinista) e o cristão sindical Podkrepa (Suporte).

No início de novembro, em violação aos acordos previamente anunciados com os sindicatos, o ministro das Finanças Simeon Dyankov, o ministro dos Transportes Iwaylo Moskovsky e a gestão da empresa ferroviária estatal BDZ anunciaram que em janeiro de 2012, cerca de 2 mil trabalhadores seriam demitidos e 150 trens retirados de serviço. Além disso, os preços das passagens foram aumentados em 15 por cento a partir de 1º de dezembro.

O BDZ, e particularmente a sua operação de passageiros, enfrenta dívidas de quase €400 milhões. Entre os investidores alemães sozinho, é de € 170 milhões em empréstimos. O banco KfW está exigindo a devolução de 50 trens fabricados pela Siemens porque os pagamentos de juros não foram feitos. No início do ano, o Banco Mundial fez um empréstimo de € 300 milhões contingentes sobre a demissão de um quarto dos trabalhadores ferroviários.

A razão para a greve por tempo indeterminado, de acordo com o KNSB e Podkrepa, é o ato de provocação pela administração estadual e ferroviário, que, sem aviso ou consulta anunciaram demissões em massa e cortes. Os sindicatos estão exigindo um novo contrato, a consulta sobre as decisões, sobre medidas de poupança e da retirada da privatização, planos para a única divisão lucrativa, o transporte de mercadorias.

De acordo com os sindicatos, os trabalhadores não estão dispostos a aceitar cortes nos salários e passaram a exigir a demissão do ministro das Ferrovias Vladimir Vladimirov.

Até agora, os sindicatos conseguiram suprimir a mais generalizada greve. Os sindicatos fazem parte do Conselho Nacional de Cooperação Tripartite (NTZ), e trabalham em estreita colaboração com o governo e grandes empresas.

Na virada de 2010-2011, os dois principais sindicatos foram capazes de estrangular uma greve dos trabalhadores ferroviários de Sofia, que havia estourado por causa do não-pagamento dos salários. Em março, o governo teve de retirar os cortes e as demissões, quando confrontado com a ameaça de uma greve. Quando o ministro dos transportes declarou a “falência técnica” das ferrovias, os dois sindicatos cancelaram uma greve geral de outubro de 2011 em favor de novas negociações com o governo.

Em resposta aos protestos, o ministro das Finanças Dyankov já deixou claro que não irá ceder à pressão. “Não há dinheiro para distribuir”, disse ele àqueles que protestavam contra os cortes de gastos, e ameaçou que a empresa ferroviária estatal iria registrar-se para a falência se a greve continuar.

Um protesto de âmbito nacional por parte dos agricultores começou em 28 de novembro. De acordo com a Rádio Bulgária, os agricultores com milhares de tratores participaram de todo o país. Os agricultores estão protestando contra os cortes nos subsídios no orçamento 2012 no valor de cerca de € 135 milhões. Antes das eleições presidenciais em outubro, vencida pelo candidato do GERB Rosen Plewneliew, as finanças e os ministros da Agricultura haviam prometido pagar esses fundos.

Os agricultores bloquearam estradas e postos de fronteira, incluindo ligações entre a segunda maior cidade Plovdiv e Karlovo, entre Varna e Burgas, no Mar Negro, e a estrada entre a antiga capital Veliko Tarnovo e Pleven. No norte, eles bloquearam a fronteira em Durankulak; no sul, a estrada para a fronteira em Lesovo também foi bloqueada. Manifestantes de Stara Zagora e Haskovo também bloquearam uma passagem de fronteira para a Turquia.

De segunda a quarta-feira da primeira semana de dezembro, os agricultores demonstraram com seus veículos, em Sófia. O protesto foi então suspenso até o final de janeiro, a fim de dar ao governo uma oportunidade de rever as suas decisões sobre os cortes.

Os cortes estão atingindo aqueles com o menor padrão de vida na União Europeia. Em termos de declínio da população, o indicador mais revelador da pobreza na Europa, a Bulgária é classificada como número um. Desde o colapso do regime stalinista, em 1989, a população de quase 9 milhões despencou por cerca de 1,5 milhões através da emigração e uma decrescente taxa de natalidade. De acordo com dados recentes do Eurostat, o desemprego atingiu 12,9 por cento em outubro.

A política de privatização e da subordinação da Bulgária aos ditames das instituições financeiras europeias e internacionais são apoiadas não só pelo sucessor dos stalinistas, o Partido Socialista Búlgaro (BSP) e os vários partidos de direita pró-UE, que têm se alternado no poder, e também os sindicatos.

O ex-economista do Banco Mundial e atual vice-primeiro-ministro Simeão Dyankov, que empurrado através de uma taxa de imposto fixa de 10 por cento e um limite da dívida de um máximo de 2 por cento do PIB, age como um defensor direto para a elite internacional e financeira europeia.

Embora o FMI tenha elogiado o cumprimento exemplar do país com os critérios de Maastricht, as expectativas de crescimento foram reduzidas de 3 para 2 por cento. O déficit orçamentário da Bulgária caiu 4 por cento em 2010 para 2,5 por cento bem abaixo deste ano, e deve ser reduzido ainda mais em 2013 como resultado das medidas de austeridade rigorosa. Antes da crise financeira global, o crescimento médio da Bulgária de alcançava 5 a 6 por cento, como resultado de empréstimos maciços.

Agora a produção está entrando em colapso porque os bancos só emprestarão com bases mais restritivas para a economia dependente de exportações. De janeiro a setembro de 2011, as empresas estrangeiras investiram € 534.5 milhões, em comparação com €1.03 bilhões em relação ao mesmo período anterior, de acordo com a empresa búlgara diariamente.

Traduzido para Diário Liberdade por Pamela Penha


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Este conteúdo foi bloqueado. Você não pode postar qualquer comentário.

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.