O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Arquivado em: mulher  Paulinho da Força  sindicalismo  Jirau  
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (4 Votos)

080411_paulinhoBrasil - PSTU - Deputado-sindicalista legitima a barbárie e autoriza os homens a tratarem as mulheres como mercadoria.


Como é que bota na selva amazônica centenas de homens sem mulher? Era preciso ter bordéis nos canteiros de obras.”

A fala acima não é do deputado Jair Bolsonaro, que esteve em destaque nos últimos dias por motivos semelhantes. É de um (suposto) sindicalista. O presidente da Força Sindical e deputado federal pelo PDT, Paulinho Pereira, foi quem proferiu essa barbaridade. Ele disse isso numa reunião convocada pelo governo para discutir as greves nos canteiros de obras.

Em primeiro lugar, é preciso esclarecer ao deputado governista que mulher não é auxílio trabalhista. Depois, é preciso lembrar à Força Sindical e a ele – que já não lembram mais como é ser trabalhador – que os operários precisam de salário e condições dignas de trabalho.

Porém o mais importante é rechaçar veementemente a sua violência contra as mulheres. Paulinho Pereira agrediu moralmente cada mulher brasileira, prostitutas e não prostitutas. Se existe prostituição, não é porque as mulheres querem se prostituir. É porque vivemos numa sociedade que coloca as mulheres na miséria, que as faz receber salários humilhantes e as obriga a suportar duplas e triplas jornadas.

Nunca o dilema “socialismo ou barbárie” se mostrou tão correto. Às vezes, parece que já estamos na barbárie. Mulheres frutas; mulheres espancadas, torturadas e assassinadas – uma agressão a cada três minutos; crianças se prostituindo, vendidas pela própria família; mulheres vendendo o próprio corpo por R$ 1,99; assim é o capitalismo.

Ao fazer este tipo de defesa, o deputado-sindicalista legitima a barbárie. É uma espécie de autorização para os homens continuarem tratando as mulheres como objetos que podem ser comprados e usados de acordo com a vontade de seu “dono”.

Atnágoras Lopes, dirigente do PSTU e sindicalista da CSP-Conlutas, estava na reunião e presenciou o absurdo. Para ele, associar o movimento “a uma abstinência sexual e, nesse sentido, colocar a mulher como objeto de consumo, é mais que um desrespeito, é um crime, uma violência contra as mulheres.

Essa é a cara da Força Sindical. Essa central e Paulinho não representam os trabalhadores e, muito menos, as trabalhadoras brasileiras. É por essas e outras que o machismo e a violência contra a mulher se perpetuam. Paulinho merece todo o repúdio de todas as mulheres e trabalhadores desse país.

Se você também se revoltou com a declaração de Paulinho, envie este texto (ou sua própria moção de repúdio) para:

dep.paulopereiradasilva@camara.gov.br

ouvidoria@camara.gov.br

spmulheres@spmulheres.gov.br

pres@fsindical.org.br

mulherespstu@yahoo.com.br


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Este conteúdo foi bloqueado. Você não pode postar qualquer comentário.

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.