O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
first
  
last
 
 
start
stop
Arquivado em: moraes  vinícius  música  arte  
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)

Foto - LBI-QI - Vinícius de MoraisBrasil - LBI-QI - No dia 19 de outubro de 1913, exatamente há cem anos, Marcus Vinitius da Cruz de Melo Moraes debutava em nosso mundo. Nascido no seio de uma família de músicos do bairro da Gávea, no Rio de Janeiro, Vinicius de Moraes, o “Poetinha”, assim carinhosamente chamado por seus amigos, completaria 100 anos neste 19 de outubro.


 

Inveterado boêmio, foi na noite que conheceu seus principais parceiros de música, de copo, teatro, paixões, amores e onde aperfeiçoou seus dotes poéticos mais líricos. Desde criança demonstrou grande habilidade para as letras e a música, tanto que aos dez anos já participava do coral da escola e começa a montar pequenos escretes teatrais. Em 1930 ingressa na Faculdade de Direito do Catete, para a qual dizia não ter a menor vocação, porém teve a oportunidade de conhecer o escritor Otavio Faria que lhe formou para o mundo das artes literárias e travou conhecimento com os “modernistas” Manuel Bandeira, Mário e Oswald de Andrade e até Plínio Salgado que também fazia parte do movimento. Neste ínterim, atuou como censor cinematográfico, crítico de cinema sob a companhia de Manuel Bandeira, Cecília Meireles e Afonso Arinos de Melo Franco. Em 1943 foi aprovado em concurso para o Ministério das Relações Exteriores, sendo empossado embaixador em Los Angeles, onde exerceu o cargo por quatro anos. Pouco depois foi deslocado para Paris, período mais profícuo para desenvolver o trabalho de... poeta! Os anos 50 marcaram o “debut” de sua veia musical mais aprofundada ao conhecer um jovem pianista em suas “andanças” pelos cabarés e noites cariocas, Tom Jobim. Na década seguinte, sua singeleza musical chamou a atenção de gênios da música do quilate de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Baden Powell, ... No entanto, após o golpe militar contrarrevolucionário de 1964 foi afastado do Itamaraty com a criação do AI-5 sob o estapafúrdio argumento de que sua “vida boêmia era incompatível com a carreira diplomática”, o que na verdade implicava a deculturação do país imposta a ferro e fogo pelo regime gorila. A trajetória de vida de Vinicius de Morais marcou o auge da produção artística no Brasil, dos anos 50 aos 80, mas após a queda do Muro de Berlim e da URSS, o imperialismo e sua mídia venal trataram logo de esmagar as tradições culturais de raiz, impondo não só a barbárie no campo social como no âmbito das artes em todo o planeta.


Importante destacar foi a evolução estético-política do “Poetinha” em sua trajetória de vida. De simpatizante do integralismo e com uma obra eminentemente cristã na juventude, o convívio direto e aberto com a nata da intelectualidade boêmia abriu-lhe os olhos para amadurecer em todos os aspectos. Seu primeiro livro publicado, “Forma e Exegese” (1935) e “O Caminho para a Distância” refletem bem o início místico-religioso de sua carreira, porém não demora a romper com o arcaísmo quando em 1936 publica os versos profanos e sensuais de “Ariana, a mulher” desaguando em uma elaboração de forte conteúdo popular. Em uma turnê pelo nordeste do Brasil, em 1942, ao lado do escritor americano Waldo Frank muda radicalmente seus conceitos políticos, tornando-se um antifascista, sentimento este aprofundado ao conhecer Pablo Neruda em 1945 de quem foi grande amigo. Colaborador do quinzenário “Para Todos”, de Jorge Amado, publica aí o poema “O Operário em construção” no ano 1956 como desfecho desta nova visão de mundo e inaugura a parceria com Tom Jobim, escalado para compor a música da peça teatral “Orfeu da Conceição” e quase concomitante, com João Gilberto junto a quem daria início a chamada “Bossa Nova”.

 
A bossa nova surgiu precisamente junto com o processo de urbanização e industrialização das grandes cidades brasileiras, respondendo às especificidades ideológicas e objetivas da época, tanto é verdade que jovens de classe média emergente do pós-guerra foram seus proponentes e refletia suas aspirações espirituais e humores. Vinicius, com João Gilberto, lança o LP “Canção do amor demais” em 1958, mostrando ao mundo a batida ritmada e inovadora da “bossa”, acompanhada da cantora Elizeth Cardoso, disco chave para se compreender a estética refinada do movimento. Um ano depois lança outro LP, “Por toda a minha vida” com letras suas e Tom Jobim. No início da década de 60 começa a compor com Carlos Lyra e Pixinguinha, em uma fase que dá os primeiros passos para a superação da “bossa nova”, cujo desenvolvimento aconteceu quando se aproximou de Baden Powell, dando origem aos “afro-sambas” (“Berimbau”, “Canto de Ossanha”, “Samba da Bênção”...). Em 1962 compõe com Carlos Lyra a peça “Pobre menina rica” lançando Nara Leão como cantora, já rompendo com os dramas da classe média. Em 1966 lançou o LP “Os afro-sambas”, evidenciando uma clara ruptura com a estética e os lamentos pequeno-burguês da bossa nova. A parceria com Toquinho iniciou-se dois anos depois de ser afastado do cargo de embaixador, em 1970, e com quem grava vários discos na Itália, Paris (1972-77) e no Brasil. No final dos anos 70, com o esgotamento político do regime militar, chegou a declamar poemas no sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo dos Campos a convite do então presidente da entidade Luis Inácio da Silva. Várias músicas de sua autoria foram censuradas pelos militares, como “Paiol de Pólvora”, “Valsa do Bordel” (nos shows dizia ser a “Valsa da Puta”) por “afrontarem e desrespeitarem o regime político” vigente diziam os autos do processo contra o Poetinha.
 
No dia 9 de julho de 1980 o coração do Poetinha parou de bater, após um derrame cerebral ocorrido três meses antes, cujas sequelas provocaram um edema pulmonar, deixando inconclusas e perdidas as obras “Roteiro lírico e sentimental da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro” e “O dever e o haver”. Seu último poema soa como uma balada triste, uma despedida: “Trago a doçura dos que aceitam melancolicamente./E posso te dizer que o grande afeto que te deixo/Não traz o exaspero das lágrimas nem a fascinação das promessas/Nem as misteriosas palavras dos véus da alma.../É um sossego, uma unção, um transbordamento de carícias/E só te pede que te repouses quieta, muito quieta/E deixes que as mãos cálidas da noite encontrem sem fatalidade o olhar extático da aurora” (Vinicius de Moraes - Poesia completa e prosa). O rumo tomado por Vinicius de Moraes comprova mais do que nunca a máxima programática do trotsquismo, segundo a qual a arte deve estar fortemente enraizada no popular e voltada para a vida, caso contrário tende a definhar gradativamente ou para o campo da reação ou para a extinção pura e simples. Vinicius foi um dos poucos intelectuais que viveu verdadeiramente como poeta, para a arte, a liberdade de criação, muito embora em sua obra não estive presente o elemento da atuação do artista como vanguarda na preparação da revolução, porém estava engajado em seu próprio tempo. São as sábias palavras do velho bolchevique Trotsky que enfatiza o papel do artista dentro do capitalismo e a luta pelo socialismo: “(...) ao defender a liberdade de criação, não pretendemos absolutamente justificar o indiferentismo político e longe está de nosso pensamento querer ressuscitar uma arte dita ‘pura’ (...). Não, nós temos um conceito muito elevado da função da arte para negar sua influência sobre o destino da sociedade. Consideramos que a tarefa suprema da arte em nossa época é participar consciente e ativamente da preparação da revolução. No entanto, o artista só pode servir à luta emancipadora quando está compenetrado subjetivamente de seu conteúdo social e individual, quando faz passar por seus nervos o sentido e o drama dessa luta e quando procura livremente dar uma encarnação artística a seu mundo interior” (Manifesto por uma Arte Revolucionária Independente, 25/7/1938). E nesta época de profundo retrocesso ideológico imposto pelo imperialismo, a arte revolucionária deve unir-se à luta pela emancipação da classe operária e proclamar bem alto seu apelo à resistência cultural contra a banalização e a idiotização das massas trabalhadoras, padrões de comportamento e de estética empurrados goela abaixo pela mídia “murdochiana” e seus amos do norte.
 
No documentário produzido em 2006 por Miguel Faria e sua filha a cineasta Suzana de Moraes, sobre a vida de Vinicius, foram colhidos vários depoimentos de parceiros ainda vivos do “poetinha”. No testemunho dos antigos companheiros de “farra e de música”, como o de Toquinho e Chico Buarque, ambos tiveram pelo menos a honestidade intelectual de reconhecer que “no mundo atual não haveria espaço para Vinicius”. A “observação” vinda de dois ícones da MPB não foi à toa, tanto Chico como Toquinho se converteram ao atual “mundo do politicamente correto”, onde a arte e a vida não tem nenhum compromisso com a transformação da realidade social. Realmente seria inimaginável pensar hoje no maior ídolo de nossa música e poesia entrar em um estádio lotado de operários em greve e declamar seu poema: “O operário em construção”, sob a admiração e respeito do proletariado em plena luta contra a ditadura militar. Mas o melhor viria depois, logo após sair do estádio de Vila Euclides, no ABC, cercado por operários foi comemorar o triunfo da greve metalúrgica em um botequim das redondezas regado com muita cachaça e cerveja. Desgraçadamente os “camaradas” de Vinicius, que no passado tanto contribuíram com o combate pelo socialismo (como Chico Buarque), hoje não honram a memória do “grande mestre”, encontrando-se atolados em campanhas publicitárias reacionárias ou servindo a governos capitalistas de turno. O legado da vida e obra de Vinicius permanecerá vivo para as futuras gerações, ainda que embotado por elogios e reverências demagógicas de uma elite social e artística completamente decadente.

 


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios. Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.