O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar
Publicidade
first
  
last
 
 
start
stop
1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 (1 Votos)
Arquivado em: literatura  brasil  cultura  

130212_macedoBrasil - Vermelho - [Ana Lúcia Silva Resende de Andrade Reis e Claudia Braga] Para falar da gradativa construção de uma identidade nacional através da literatura que, associada ao contexto histórico, se traduz em uma importante ferramenta para a composição do universo social em cada época e também possui a capacidade de registrar as questões referentes ao modo de viver das sociedades, vamos abordar os folhetins de jornais da primeira metade do século 19.


Foto: Joaquim Manuel de Macedo.

Joaquim Manuel de Macedo é a primeira grande referência. Com a publicação do romance A Moreninha, e a grande popularidade por ele alcançada junto ao público leitor, fica definitivamente marcada com as características do romance-folhetim a história do romance brasileiro em seus primórdios.

Há ainda uma outra característica peculiar e própria do romance de folhetim, que foi a de multiplicar e difundir o gosto pela leitura numa época em que nem todos eram alfabetizados, mas nem por isso deixavam de apreciar os enredos folhetinescos, tal fato nos é apresentado por Marlyse Meyer em sua obra Folhetim, na qual ela comenta:

Considerando-se o nível de analfabetismo no Brasil fica uma pergunta: até que ponto as classes populares podiam consumir os romances ditos populares que lhes eram destinados "naturalmente"? É verdade que, neste país formado pelos padrões da oralidade, onde, nos primórdios do folhetim, dominavam as famílias extensas e casas recheadas de serviçais e, mais tarde, as habitações populares coletivas, cortiços e vilas operárias, há de se levar em conta o efeito multiplicador de uma oitiva coletiva durante os serões. (MEYER, 1996 p.382.).

Macedo obteve reconhecimento e prestígio ao publicar A Moreninha, que reproduzia com singela fidelidade, no plano da imaginação, a sociedade que todos conheciam no plano da realidade, mas não deixava de despertar a curiosidade do público leitor brasileiro por si mesmo e pela maneira de viver vigente e, veio ainda responder à expectativa dos leitores da época pelo surgimento de um romance genuinamente brasileiro. Ainda muito jovem, ligou-se a um grupo de escritores engajados nesse projeto, entre os quais Manuel de Araújo Porto Alegre e o poeta Gonçalves Dias, fundando com eles a revista literária Guanabara, que, com seus fortes traços românticos, mostrava-se preocupada com a afirmação da nacionalidade pelo viés da literatura.

O romance urbano, na e da sociedade brasileira do século XIX, encontra em Macedo o seu verdadeiro criador, tendo ele participado de um momento histórico particularmente decisivo para a literatura brasileira, que buscava construir sua identidade própria e se firmar como arte autônoma e valorizável de uma nação recém-independente, onde se mostra a primeira expressão literária ao tipo brasileiro de beleza feminina retratado através da personagem Carolina. Quando o autor ressalta a cor dos cabelos e da pele da Moreninha, nada mais faz do que exaltá-la diante da palidez de suas primas, ou seja, valorizando as características físicas e raciais presentes na jovem nação brasileira, através de Carolina, em detrimento do modelo de beleza importado da Europa que cultivava as peles alvas e os cabelos claros.

Segundo Dutra e Melo, escritor da Minerva Brasiliense, na qual lançava as coordenadas do que seria a crítica literária, situa A Moreninha no quadro da história literária em que aparecia:

O romance, essa nova forma literária (...) tem sido a mais fecunda e caprichosa manifestação de idéias do século atual (...) Entre nós começa o romance apenas a despontar: temos tido esboços tênues, ensaios ligeiros que já muito prometem; (...) E contudo o romance histórico pode achar voga entre nós (...) A Moreninha, produção que em verdade honra a seu autor, é uma aurora que nos promete um belo dia (...) O estilo é fino, irônico e singelo. Ordem, luz, graça e ligação o tornam de uma transparência cristalina (...) (Apud MARTINS, 1992, P.308).

Macedo não criou o "romance filosófico", lançou os fundamentos do romance histórico e do romance de costumes e respondia como ninguém às expectativas de leitura da época, que procurava na literatura de ficção, uma forma de evasão e entretenimento, que a publicação deste autor atendia bastante bem por combinar ao romance de costumes as técnicas do folhetim.

O que era o folhetim?

Estas histórias de leitura rápida eram publicadas todos os dias nos jornais em espaços determinados e destinados ao entretenimento, era o Folhetim, gênero importado da França, e que com o gradual desenvolvimento das cidades, em especial o Rio de Janeiro, ocasionou a criação de inúmeros jornais diários, encontrou amplo espaço de publicação na capital do Império, e no interior do país.

A leitura das publicações de romances de folhetim e muitos outros costumes influenciaram de uma maneira marcante a formação da identidade nacional brasileira, que assimilava os modelos europeus e os adaptava ao nosso cotidiano, em um momento de construção do estilo de vida que estava sendo adotado pelo povo brasileiro. Em nenhum outro lugar do território toda esta gama de novidades poderia ser tão facilmente constatada quanto na cidade do Rio de Janeiro, como podemos confirmar na exposição de Alencastro:

Naturalmente, o Rio de Janeiro, a corte da monarquia, o centro cultural, político e econômico do território nacional – desfrutando no século XIX de uma preeminência que nenhuma outra cidade brasileira jamais virá a ter-, (...). É no Rio de Janeiro que se desenrola o "paradoxo fundador" da história nacional brasileira: transferida de Portugal, sede de um governo parlamentar razoavelmente bem organizado para os parâmetros da época, capital de um império que pretendia representar a continuidade das monarquias e da cultura européia na América dominada pelas repúblicas, a corte do Rio de Janeiro apresentava-se como o pólo civilizador da nação.Tal era o motor do centralismo imperial em face das municipalidades e das oligarquias regionais. Tal era o suporte da legitimidade monárquica diante das repúblicas latino-americanas.(...) (ALENCASTRO, 1997, P.10).

No gênero folhetinesco cabem múltiplas opções de enredo, de assuntos frívolos aos mais sérios, de assuntos que são o tema de conversas particulares aos acontecimentos que interessavam a história, oferecendo aos seus autores infindáveis possibilidades de tramas, para ilustrar as publicações com a realidade do ser humano: traições, trocas de identidades, infidelidades, violência, o amor, o incesto, a loucura, o desejo, a miséria e as inquietações da alma humana.

Em sua chegada ao país, na primeira metade do século XIX, cabe lembrar que o Brasil passava por um fenômeno cultural que há muito já se observava na Europa: ao mesmo tempo em que crescia cada vez mais o número de leitores no país, verificava-se o surgimento de uma vida cultural na Corte Brasileira.

Levando-se em conta o grande poder de influência que o folhetim passa ter, é bom realçar a importância de seu caráter didático, pois a cada dia aumentava consideravelmente o número de leitores, em sua maioria mulheres, que não tinham acesso a outros tipos de literatura, e foram influenciadas e "formadas" pelas ideologias disseminadas nos enredos dos folhetins, e principalmente pela personalidade e atitudes dos heróis, heroínas, vilões e outros lançadores de modos e modas desta ficção narrativa em prosa publicada aos pedaços no jornal cotidiano.

O folhetim no Brasil

O folhetim aporta no Brasil como um dos itens da última moda em Paris, e passa a "ditar" costumes e modos, já que, ali, "desenhava-se a representação de uma sociedade rural francesa que aparecia como um paradigma de civilidade para a sociedade tropical e escravagista dos campos do Império" (ALENCASTRO: 1997, 44). Para melhor divulgá-lo, veio, inclusive,

Impresso em Paris, e publicado pelo editor francês Garnier, estabelecido no Rio e sócio da editora parisiense, de mesmo nome, o Jornal das Famílias, cheio de gravuras coloridas francesas e, freqüentemente, de contos de Machado de Assis, combinava os costumes franceses com a cultura local. (Idem)

O gênero passaria a fazer parte da vida dos leitores brasileiros, já que obteve ampla aceitação por aqui e encontrou, nos precursores nacionais, colaboradores que passaram a escrever e a atender esta nova modalidade de publicação que tanto influenciou os costumes da época, aos poucos foi-se disseminando entre as classes mais populares e deixou de ser lido apenas por uma elite feminina em seus momentos de ócio.

Na esteira da "importação" do folhetim, muitos costumes se modificaram: era preciso assimilar o ambiente descrito nos enredos parisienses. Um destes itens era o vestuário, que imitava fielmente os modelos parisienses, independente dos tecidos como o veludo não serem apropriados para o clima brasileiro, o que importava era vestir-se e portar-se como as damas européias o faziam.

Há ainda outro item característico desta influência, o piano, que passou a ser imprescindível nos lares das famílias mais abastadas, que o utilizavam para a realização de vários e inovadores eventos que foram assimilados ao cotidiano da capital, como nos aponta Alencastro:

(...) Comprando um piano, as famílias introduziam um móvel aristocrático no meio de um mobiliário doméstico incaracterístico e inauguravam – no sobrado urbano ou nas sedes das fazendas - o salão: um espaço privado de sociabilidade que tornará visível, para observadores selecionados, a representação da vida familiar. Saraus, bailes e serões musicais tomavam um novo ritmo. (...) (p.47).

Tanto na França, onde nasceu, em 1836, quanto aqui no Brasil, o romance folhetim alcançou proporções extraordinárias, passando a compor o cotidiano e o imaginário dos leitores.Este fenômeno se deu concomitantemente à abertura e publicação de jornais, daí a dificuldade de se saber quem mais se beneficiou da importância do outro: o veículo ou o instrumento, pois se tratou de uma importante relação de troca.

Para os jornais o arranjo era extremamente vantajoso, já que o número de leitores teve um salto vertiginoso que fez, em determinados momentos, a publicação dos romances folhetim fracionados diariamente ser o sustentáculo de vendas. Para os autores, apesar das dificuldades iniciais com a novidade na forma de publicar, as estruturas folhetinescas foram pouco a pouco sendo assimiladas como estratégia apelativa a ser usada na construção dos romances. A cada final de capítulo tornava-se inevitável a dúvida: "E agora, o que é que vai acontecer?" Assim, ao aguçar a curiosidade do público leitor, garantia-se a vendagem e aumentava-se o número de assinantes.

Dessa forma, sempre que se finalizava um capítulo, o enredo alcançava um momento culminante, o texto era interrompido propositalmente, a fim de manter o suspense e a expectativa dos próximos acontecimentos. Caso o leitor quisesse saber o desfecho da história, precisava comprar a edição do dia seguinte, quando sairia publicada a continuação.

Muitas vezes, o sucesso comercial do jornal dependia dessa estratégia, uma vez que os leitores, curiosos pelo desenrolar dos fatos, se tornavam assíduos compradores dos periódicos. Na realidade, como apontaria Marlyse Meyer, há dúvidas quanto à fidelidade do herdeiro brasileiro ao modelo francês, porém, algo se mantinha...

Comum a todos, e importantíssimo, era o suspense e o coração na mão, um lencinho não muito longe, o ritmo ágil de escrita que sustentasse uma leitura às vezes, ainda soletrante, e a adequada utilização dos macetes diversos que amarrassem o público e garantissem sua fidelidade ao jornal, ao fascículo e, finalmente ao livro. (MEYER. 1996P. 303).

Inicialmente configurado como uma simples técnica de publicação de histórias, o folhetim alterou profundamente as características do romance enquanto gênero literário, tanto em seu país de origem quanto no Brasil. Os fatos narrados passaram a ter mais destaque que a caracterização dos personagens e funcionaram como elos de uma cadeia vertiginosa de eventos. Nos jornais brasileiros da época, começam a surgir publicações neste formato de autores nacionais, tais como Alencar, Macedo, Machado, que se instalam "no andar térreo" da folha, criando ali, pela diversidade de temas, uma espécie de universidade popular, em que se ensinava sem pedantismo e se aprendia sem esforço.

Joaquim Manuel de Macedo e A Moreninha

No caso específico de Joaquim Manuel de Macedo, o autor vivenciou um momento histórico particularmente decisivo para a Literatura brasileira, que buscava sua identidade e procurava se firmar como arte autônoma e valorizável de uma nação recém-independente. Ainda muito jovem, ligou-se a um grupo de escritores engajados nesse projeto, entre os quais Manuel de Araújo Porto Alegre e o poeta Gonçalves Dias, fundando com eles a revista literária Guanabara, que, com seus fortes traços românticos, mostrava-se preocupada com a afirmação da nacionalidade pelo viés da literatura.

Na esteira deste movimento surge em 1844, no "rodapé" do Jornal do Commercio, seu A Moreninha, primeiro romance brasileiro a alcançar significativo êxito de público, e considerado um dos marcos do Romantismo e da história da nossa literatura, enquanto romance de costumes, fixação de tipos e concepção do que se poderia chamar "a cena romanesca".

Macedo pertence à pré-história do romance brasileiro, contudo pertence também à história da literatura nacional e, mais ainda, à história da cultura, por isso mesmo, o romance macediano é brasileiro antes de ser romance, ou, se quisermos, reflete mais condições e peculiaridades nacionais do que consciência e preocupações literárias.

O romance narra a história de amor entre Augusto e Carolina, com todas as suas peripécias, ilusões e final feliz e pode parecer ingênua e superficial nos dias de hoje, ele traz, porém, procedimentos literários inovadores que influenciarão algumas obras posteriores de outros autores nacionais, em especial José de Alencar.

Por outro lado, a obra possui um valor documental em relação à sociedade da época, na caracterização do espaço urbano, que serve como elemento no auxílio da definição do contexto histórico e social de nossa literatura romântica e também da cidade do Rio de Janeiro, que rapidamente se urbaniza e sofistica seus serviços a fim de nutrir a vida social que emergia, possibilitando o surgimento de uma burguesia consumidora, entre outras coisas, de Literatura.


Referências Bibliográficas

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. "Vida Privada e ordem Privadano Império". In: NOVAES, Fernando (org.). História da vida privada no Brasil: Império. São Paulo, Cia. das Letras, 1997.

HIGONNET, Anne. "Mulheres e imagens: aparências, lazer, subsistência" e "Mulheres e imagens: representações". In: História das Mulheres no Ocidente. Trad. Claudia e Egito Gonçalves. São Paulo: Ebradil / Porto: Afrontamento, 1991.

MACEDO, Joaquim Manuel de. A Moreninha. São Paulo: Klick, 1997.

MARTINS,Wilson. História da inteligência brasileira. São Paulo: T.ª Queiroz, 1992.

MEYER, Marlyse. Folhetim – uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MEYER, Marlyse. "Folhetim para Almanaque ou Rocambole, a Ilíada do Realejo". In: Almanaque 14: Modos menores de ficção. São Paulo: Brasiliense, 1982. (pp. 7-22)

MICHAUD, Stéphane. "Idolatria: representações artísticas e literárias". In: História das Mulheres no Ocidente. Trad. Claudia e Egito Gonçalves. São Paulo: Ebradil / Porto: Afrontamento, 1991.

Ana Lúcia Silva Resende de Andrade Reis é Mestranda em Letras – UFSJ e a Profª Drª Claudia Braga é Orientadora


Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Microdoaçom de 3 euro:

Doaçom de valor livre:

Este conteúdo foi bloqueado. Você não pode postar qualquer comentário.

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com

Desenhado por Eledian Technology

Aviso

Bem-vind@ ao Diário Liberdade!

Para poder votar os comentários, é necessário ter registro próprio no Diário Liberdade ou logar-se.

Clique em uma das opções abaixo.